sicnot

Perfil

Economia

Violência em França em protestos contra reforma da lei do trabalho

galeria de fotos

Manifestações de estudantes em Paris e em Nantes (oeste) contra a reforma da lei do trabalho degeneraram hoje em violência, com duas viaturas incendiadas e pelo menos 24 pessoas detidas, disse fonte policial à agência France Presse.

© Gonzalo Fuentes / Reuters

© Stephane Mahe / Reuters

© Gonzalo Fuentes / Reuters

© Stephane Mahe / Reuters

© Stephane Mahe / Reuters

© Stephane Mahe / Reuters

© Stephane Mahe / Reuters

© Stephane Mahe / Reuters

© Benoit Tessier / Reuters

© Gonzalo Fuentes / Reuters

© Stephane Mahe / Reuters

© Stephane Mahe / Reuters

© Benoit Tessier / Reuters

© Benoit Tessier / Reuters

Nas duas cidades, a polícia utilizou gás lacrimogéneo para dispersar os jovens, alguns dos quais encapuzados.

Em Paris, o protesto junto entre 4.800 a 5.200 pessoas, segundo a fonte, e pelo menos dois polícias foram feridos.

Em Nantes, a manifestação juntou entre 6.000 e 8.000 pessoas, e a polícia interveio depois de vários jovens terem lançado garrafas contra os agentes e despejado caixotes de lixo, acrescentou.

Há protestos a decorrer também em Rennes (oeste) e em Marselha (sul).

A reforma da lei do trabalho, adotada hoje de manhã pelo Conselho de Ministros, é contestada há várias semanas por conter medidas consideradas demasiado liberais.

As manifestações foram convocadas por sete sindicatos e organizações de juventude.

O desemprego em França, de cerca de 10%, afeta especialmente os jovens, entre os quais a taxa é de 25%.

Na semana passada, milhares de estudantes participaram em greves que paralisaram dezenas de escolas e universidades em todo o país.

Lusa

  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".