sicnot

Perfil

Economia

Greve dos CTT com 75% de adesão nas primeiras horas

A greve dos trabalhadores dos Correios, convocada por um dos sindicatos do setor, e que começou às 00:00 de hoje, teve nas primeiras horas uma adesão de cerca 75%, disse à agência Lusa fonte sindical.

(SIC/Arquivo)

De acordo com o secretário-geral do Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações (SNTCT), Vítor Narciso, nas primeiras oito horas de greve, a adesão rondou os 75 por cento, afetando as principais centrais de correios, em Lisboa, Porto e Coimbra.

"Significa que não houve tratamento do correio, não houve grande parte do transporte a partir daquelas centrais. Vamos ver agora como será com a abertura de estações e centros de distribuição", disse.

Contactada pela agência Lusa, fonte dos CTT remeteu mais informações para meio da manhã, contando já com dados sobre a hora de abertura das estações dos correios.

A greve de um dia foi convocada pelo SNTCT, um dos 11 sindicatos do setor, e em causa estão os valores sobre aumentos salariais.

Todos os sindicatos dos trabalhadores dos CTT chegaram na quarta-feira passada a acordo com a administração dos Correios precisamente, à exceção do SNTCT, que considera o aumento salarial proposto pela administração dos CTT "ofensivo", mantendo por isso a greve de hoje.

Lusa

  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.