sicnot

Perfil

Economia

António Costa admite nacionalizar Novo Banco

António Costa admite nacionalizar Novo Banco

O primeiro-ministro não descarta a hipótese da nacionalização do Novo Banco. Questionado por Jerónimo de Sousa no debate quinzenal, hoje, António Costa disse que deverá ser escolhida a solução que custe menos aos contribuintes.

O secretário-geral do PCP defendeu hoje, explicitamente, a nacionalização do Novo Banco no debate parlamentar quinzenal com o primeiro-ministro, António Costa, o qual disse conservar uma "atitude aberta" para a "solução que melhore protege os contribuintes".

"Quantos mais milhares de milhões de euros é preciso o Estado injetar nesses bancos?", questionou o líder comunista, garantindo que "não haverá banca nacional se não for pública" e que "ainda há tempo e solução": através da "concretização da nacionalização, em definitivo, do Novo Banco".

O chefe do Governo socialista, sublinhando que "a preocupação sobre a estabilidade do sistema financeiro é algo que preocupa a todos", recusou, como outros executivos anteriores, "deixar andar e esperar que os problemas se resolvam por si", pois "é necessário agir", tendo em conta a conjuntura.

"Devemos manter uma atitude aberta perante as soluções que existem para tomar uma decisão com um critério fundamental - a que melhor protege os contribuintes e a estabilidade do sistema financeiro e o financiamento da nossa economia", disse, além de voltar a concordar com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, sobre a necessidade de "evitar que possa haver domínio exclusivo de uma nacionalidade [espanhola] no sistema bancário".

O primeiro-ministro prometeu ainda lutar "a todo o custo" pelo "pilar necessário" em que consiste a Caixa Geral de Depósitos, "100% pública e fortemente capitalizada para ter condições de agir" e garantir a estabilidade do sistema.

Antes, Jerónimo de Sousa criticara o relatório da Comissão Europeia, considerando-o um "instrumento de aberta interferência e ingerência nas matérias macroeconómicas dos estados", do qual "o anterior Governo PSD/CDS foi um entusiasta executor", lamentando que "o rumo" que Bruxelas quer continuar a impor seja "o mesmo que trouxe problemas" atuais a Portugal, "particularmente no plano económico e social".

"A natureza e objetivos [do Plano Nacional de Reformas e do Programa de Estabilidade] devem ser garantir o desenvolvimento soberano, uma política liberta de fatores externos e capaz de pôr Portugal a produzir a ritmos que não podem ser os da última década e meia", desejou o líder do PCP.

António Costa contrapôs que aquilo que há a fazer é "olhar para o relatório, na sua diversidade, e construir a estratégia que se ajusta", designadamente quanto ao aumento das qualificações, no combate à emigração e ao desemprego de longa duração, o fomento da inovação empresarial e diminuição do sobre-endividamento das empresas.

"Não pode ser uma fatalidade e a única hipótese de diálogo com a Comissão Europeia passar por seguir a política que a direita prosseguiu e que o povo português rejeitou", disse.

Jerónimo de Sousa confessou que "conforta" ouvir um primeiro-ministro a "dizer isso", mas aquilo que não faz descansar o PCP "é a Comissão Europeia que, fazendo o diagnóstico, diga que a receita é a mesma".

Com Lusa

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11