sicnot

Perfil

Economia

António Costa admite nacionalizar Novo Banco

António Costa admite nacionalizar Novo Banco

O primeiro-ministro não descarta a hipótese da nacionalização do Novo Banco. Questionado por Jerónimo de Sousa no debate quinzenal, hoje, António Costa disse que deverá ser escolhida a solução que custe menos aos contribuintes.

O secretário-geral do PCP defendeu hoje, explicitamente, a nacionalização do Novo Banco no debate parlamentar quinzenal com o primeiro-ministro, António Costa, o qual disse conservar uma "atitude aberta" para a "solução que melhore protege os contribuintes".

"Quantos mais milhares de milhões de euros é preciso o Estado injetar nesses bancos?", questionou o líder comunista, garantindo que "não haverá banca nacional se não for pública" e que "ainda há tempo e solução": através da "concretização da nacionalização, em definitivo, do Novo Banco".

O chefe do Governo socialista, sublinhando que "a preocupação sobre a estabilidade do sistema financeiro é algo que preocupa a todos", recusou, como outros executivos anteriores, "deixar andar e esperar que os problemas se resolvam por si", pois "é necessário agir", tendo em conta a conjuntura.

"Devemos manter uma atitude aberta perante as soluções que existem para tomar uma decisão com um critério fundamental - a que melhor protege os contribuintes e a estabilidade do sistema financeiro e o financiamento da nossa economia", disse, além de voltar a concordar com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, sobre a necessidade de "evitar que possa haver domínio exclusivo de uma nacionalidade [espanhola] no sistema bancário".

O primeiro-ministro prometeu ainda lutar "a todo o custo" pelo "pilar necessário" em que consiste a Caixa Geral de Depósitos, "100% pública e fortemente capitalizada para ter condições de agir" e garantir a estabilidade do sistema.

Antes, Jerónimo de Sousa criticara o relatório da Comissão Europeia, considerando-o um "instrumento de aberta interferência e ingerência nas matérias macroeconómicas dos estados", do qual "o anterior Governo PSD/CDS foi um entusiasta executor", lamentando que "o rumo" que Bruxelas quer continuar a impor seja "o mesmo que trouxe problemas" atuais a Portugal, "particularmente no plano económico e social".

"A natureza e objetivos [do Plano Nacional de Reformas e do Programa de Estabilidade] devem ser garantir o desenvolvimento soberano, uma política liberta de fatores externos e capaz de pôr Portugal a produzir a ritmos que não podem ser os da última década e meia", desejou o líder do PCP.

António Costa contrapôs que aquilo que há a fazer é "olhar para o relatório, na sua diversidade, e construir a estratégia que se ajusta", designadamente quanto ao aumento das qualificações, no combate à emigração e ao desemprego de longa duração, o fomento da inovação empresarial e diminuição do sobre-endividamento das empresas.

"Não pode ser uma fatalidade e a única hipótese de diálogo com a Comissão Europeia passar por seguir a política que a direita prosseguiu e que o povo português rejeitou", disse.

Jerónimo de Sousa confessou que "conforta" ouvir um primeiro-ministro a "dizer isso", mas aquilo que não faz descansar o PCP "é a Comissão Europeia que, fazendo o diagnóstico, diga que a receita é a mesma".

Com Lusa

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • A Minha Outra Pátria
    29:53
  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24

    Economia

    Milhares de clientes da Caixa Geral de Depósitos (CGD), que até aqui estavam isentos de qualquer pagamento, vão começar a pagar quase 5 euros por mês por comissões de conta. A medida abrange também reformados e pensionistas e entra em vigor já em setembro. Ainda assim, os clientes com mais de 65 anos e uma pensão inferior a 835 euros por mês continuam isentos.

  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC