sicnot

Perfil

Economia

Banco de Portugal piora previsões de crescimento da economia

Banco de Portugal piora previsões de crescimento da economia

A economia portuguesa deve crescer este ano menos do que estava previsto. Pelas novas contas do Banco de Portugal, o consumo das famílias não deve chegar para compensar a quebra no ritmo do investimento e das exportações.

Na nota sobre as projeções para a economia portuguesa 2016-2018 publicada hoje, com informação até 17 de março, incluindo, assim, o Orçamento do Estado para 2016 (OE2016), o banco central estima agora que o Produto Interno Bruto (PIB) avance 1,5% este ano, 1,7% em 2017 e 1,6% em 2018.

No Boletim Económico divulgado em dezembro, o BdP previa um crescimento económico de 1,7% este ano e de 1,8% em 2017, admitindo um "grau de incerteza particularmente elevado" na projeção devido à inexistência do OE2016 na altura.

Assim, a instituição liderada por Carlos Costa mostra-se mais pessimista do que o Governo e os credores internacionais, uma vez que o executivo espera que a economia portuguesa cresça 1,8% este ano, a Comissão Europeia prevê um avanço de 1,6% do PIB e o Fundo Monetário Internacional (FMI) de 1,5%, embora não considerem ainda a versão final do OE2016.

O Banco de Portugal justifica a estimativa de um crescimento de 1,5% para este ano -- que, a confirmar-se, será semelhante ao de 2015 -- com o "quadro de deterioração do enquadramento internacional, de desaceleração do investimento empresarial e de resiliência do consumo privado corrente".

Segundo o BdP, a economia portuguesa deverá acelerar para 1,7% em 2017, devido ao "dinamismo do investimento e das exportações", e abrandar para 1,6% em 2018, traduzindo "a manutenção de constrangimentos estruturais sobre o crescimento potencial da economia portuguesa, com destaque para o elevado endividamento dos setores privado e público".

O Banco de Portugal mantém a estimativa do contributo da procura interna para o crescimento do PIB em 2016, em 0,9 pontos percentuais, e reduz o contributo das exportações para 0,6 pontos percentuais (quando em dezembro este contributo era de 0,8).

Portugal deverá fechar 2016 com contas externas positivas de 2,9% do PIB, sendo que o BdP reviu em alta a previsão do saldo da balança corrente e de capital para este ano em 0,4 pontos percentuais face a dezembro.

Por outro lado, o BdP reviu em baixa a estimativa para o índice harmonizado de preços no consumidor, de 1,1% para 0,5% este ano e de 1,6% para 1,4% em 2017.

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • "O FC Porto não merece ser campeão"
    2:23
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    O empate do FC Porto com o Feirense foi o principal assunto do Play-Off da SIC Notícias, este domingo. Rodolfo Reis mostrou-se insatisfeito com a atitude dos jogadores do FC Porto.

  • Défice recua em 2016 na zona euro e na UE

    Economia

    O défice e a dívida baixaram na zona euro e na União Europeia (UE) em 2016 face a 2015, tendo Portugal registado a terceira maior dívida (130,4%) entre os Estados-membros e um défice de 2%, segundo o Eurostat.

  • Incêndio na Amadora deixa 12 pessoas desalojadas
    1:59

    País

    Um incêndio destruiu este domingo a cobertura de um prédio de habitação na Buraca, no concelho da Amadora. Doze pessoas ficaram desalojadas, mas ninguém ficou ferido. Os bombeiros dominaram o fogo em cerca de uma hora, os moradores queixam-se da falta de eficácia no combate às chamas.

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa