sicnot

Perfil

Economia

Boeing elimina 4 mil postos de trabalho este ano

A Boeing anunciou hoje que vai suprimir 4 mil empregos na sua divisão de aviação comercial durante este ano, no âmbito de um plano para tornar a empresa mais competitiva.

© Vivek Prakash / Reuters

"A nossa divisão de aviação comercial prossegue o plano anunciado no mês passado com mudanças fundamentais para a tornar mais competitiva a longo prazo, financiar o seu crescimento e funcionar como uma empresa saudável", indica um comunicado citado pela AFP.

"As reduções de efetivos até ao meio deste ano devem atingir cerca de 4 mil saídas voluntárias, centenas das quais de quadros superiores", acrescenta o texto.

No final de fevereiro a divisão em causa contava 82.310 pessoas num total de 159.250 funcionários da companhia norte-americana.

Em janeiro, a Boeing anunciou que em 2016 havia uma redução na entrega de aviões civis, a primeira desde 2010.

Lusa

  • Coreia do Norte lança novo míssil balístico

    Mundo

    O Pentágono detetou esta sexta-feira mais um lançamento de um míssil balístico por parte da Coreia do Norte. O primeiro-ministro japonês já confirmou o lançamento, que terá atingido a zona económica exclusiva, no Mar do Japão.

  • Menino perdido na Praia da Luz foi levado à GNR por turista
    1:11

    País

    Um menino inglês, de sete anos, esteve desaparecido na quinta-feira na Praia da Luz, no Algarve, depois de se ter perdido dos pais. A GNR colocou duas equipas de investigação no local, mas ao fim de uma hora e meia o rapaz apareceu na esquadra de Lagos acompanhado por um turista a quem terá pedido ajuda.

  • Mais viagens mas menos turistas de Portugal
    1:22

    País

    Os residentes em Portugal - sejam portugueses ou estrangeiros - realizaram quatro milhões de viagens turísticas, só no primeiro trimestre do ano. Um aumento de mais de 6% nas viagens dentro do país face ao período homólogo e de mais de 15% nas viagens para fora, de avião. O estudo é do INE, o Instituto Nacional de Estatística, que permite fazer o retrato mais claro de quem viaja e porquê.

  • Algarve sozinho gera metade dos bens transacionáveis em Portugal
    4:14

    SIC 25 Anos

    O Algarve quase não tem indústria e os especialistas consideram que é excessivamente dependente do turismo. Ainda assim, sozinho contribui com metade do que Portugal gera em bens transacionáveis. A região tem problemas graves, como a falta de médicos e um custo de vida muito alto, mas continua a atrair a maior parte dos turistas e muitos estrangeiros decidem mesmo escolher a região para viver.