sicnot

Perfil

Economia

Agência canadiana DBRS pode vir a cortar rating português

A agência de notação financeira canadiana DBRS, a única que atribui uma nota de investimento a Portugal, admitiu hoje cortar o rating se houver incerteza política ou se o crescimento económico não for suficiente para reduzir a dívida pública.

© Nacho Doce / Reuters

O Fundo Monetário Internacional alertou, num relatório divulgado hoje, que a revisão em baixa da única nota de investimento atribuída em Portugal "constitui um risco no curto prazo" com "grandes consequências" para Portugal.

Questionada pela agência Lusa, Adriana Alvarado, analista para Portugal da DBRS, afirmou que "de facto, o rating pode ser pressionado num sentido negativo" na próxima avaliação à dívida portuguesa.

Em causa para esse corte está um eventual "enfraquecimento do compromisso político perante políticas económicas sustentáveis", a reversão das reformas estruturais ou caso a "incerteza política se torne persistente".

Um crescimento económico mais fraco do que o esperado e que leve a uma deterioração da dinâmica da dívida pública também pode levar a uma revisão em baixa da nota atribuída pela DBRS a Portugal.

No comentário enviado à Lusa, Adriana Alvarado lembra que a DBRS manteve a perspetiva estável da nota atribuída a Portugal em novembro, considerando que os riscos para esse rating permanecem "largamente balanceados", mas que "também foram sublinhados os riscos de derrapagem orçamental e outros desafios para as finanças públicas, nomeadamente em relação ao ainda alto nível de dívida pública".

Na altura, a DBRS afirmou estar "confortável" com o rating atribuído a Portugal, que considera ser "apropriado", alertando, no entanto, que esta avaliação depende do desempenho orçamental, do crescimento e do sucesso da política monetária do Banco Central Europeu.

É que o programa de compra de dívida pública pelo Banco Central Europeu e o uso de dívida soberana como colateral no financiamento europeu aos bancos portugueses exigem que pelo menos uma das maiores agências de rating atribua a Portugal uma notação de investimento.

Neste momento apenas a DBRS avalia a dívida de Portugal como sendo de investimento, de BBB (baixo, enquanto as três maiores entidades de rating consideram que a dívida pública de Portugal ainda está num grau de lixo.

A DBRS vai voltar a avaliar a dívida pública portuguesa a 29 de abril.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.