sicnot

Perfil

Economia

Grécia longe de alcançar "programa coerente", diz Lagarde

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, afirmou hoje que as negociações com Atenas estão ainda longe de chegar a um programa coerente.

reuters

"A minha visão das negociações é a de que estamos ainda a uma boa distância de um programa coerente que eu possa apresentar ao nosso conselho de administração", disse Lagarde numa carta enviada ao primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, e que hoje foi divulgada no 'site' do FMI.

Lagarde respondia a um pedido de explicações de Atenas, após a WikiLeaks ter publicado no sábado uma alegada transcrição de uma teleconferência entre dois responsáveis do FMI, na qual discutem a estratégia para a Grécia aceitar mais cortes orçamentais e para levar a Alemanha a ceder a uma nova reestruturação da dívida.

O documento então divulgado por aquele portal identifica os interlocutores como o diretor de assuntos para a Europa do Fundo Monetário Internacional (FMI), Poul Thomsen, e a chefe da missão da instituição na Grécia, Delia Velculescu, tendo a conversa acontecido a 19 de março último.

Na conversa, ambos os responsáveis mostram-se muito exasperados com o ritmo lento das negociações quanto às reformas à concretizar pelos gregos e a pouca pressão por parte das instituições e parceiros europeus, e falam sobre a estratégia a adotar nas negociações do terceiro programa de resgate para o FMI fazer valer a sua posição.

Na carta hoje divulgada, Lagarde referiu ter já ter indicado, repetidamente, que o FMI não pode apoiar "um programa [de ajuda financeira] que não seja credível e baseado em hipóteses reais".

Neste sentido, a dirigente do FMI realça que a organização "forçará a Grécia a adotar [ainda] mais medidas de ajustamento económico".

Já do que se depreende das transcrições da conversa revelada este sábado, a instituição liderada por Christine Lagarde defende metas orçamentais mais exigentes, que implicam maiores cortes de despesa, como um excedente primário orçamental de cerca de 3,5% do Produto Interno Bruto (PIB), e propõe um alívio da dívida grega.

Durante a conversa, Poul Thomsen lembra que, no passado, os gregos só aceitaram ceder às exigências quando "estavam prestes a ficar sem dinheiro e a entrar em incumprimento".

"E isso é provavelmente o que vai acontecer de novo. E, neste caso, arrasta-se até julho e claramente os europeus não vão ter quaisquer discussões durante o mês anterior ao 'Brexit'", acrescentou o responsável do FMI, em referência ao referendo britânico marcado para 23 de junho, que vai decidir sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia.

Thomsen fala ainda da reestruturação da dívida grega, que há bastante tempo o FMI defende, e da forma como levar a Alemanha a aceitá-la.

"Basicamente, nós a certa altura dizemos.'Olhe, senhora Merkel, tem um desafio e tem de pensar o que lhe traz mais custos. Ir em frente sem o FMI e, aí o parlamento alemão irá questionar 'O FMI não participa?', ou escolher o alívio da dívida que nós pensamos que é necessário para estarmos dentro'", afirmou, citado na transcrição disponibilizada pela WikiLeaks na sua página na internet.

Na segunda-feira são retomadas as negociações entre os credores internacionais da Grécia, após uma pausa de duas semanas, estando previsto que Delia Velculescu viaje hoje mesmo para a capital grega.

O terceiro programa de resgate à Grécia foi aprovado no verão de 2015, sendo que em janeiro deste ano o Governo grego aceitou o envolvimento do FMI.

A Alemanha tem insistido na participação do FMI, uma vez que considera que esta será mais exigente com a Grécia na execução de reformas.

Para aceitar estar financeiramente envolvido no resgate, no valor de 86 mil milhões de euros, o FMI -- que atualmente presta assistência técnica - exige de Atenas várias reformas, nomeadamente nas pensões, mas também que a zona euro aceite a renegociação da dívida pública do país.

  • A proposta dos partidos para a redução da dívida
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à UE e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido perdão da dívida como os partidos da esquerda chegaram a defender.

  • Ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo Ministério Público
    1:54
  • Suspeito de atropelamento mortal fala de acidente 
    2:00
  • "Têm um verdadeiro amigo na Casa Branca"

    Mundo

    O Presidente norte-americano reafirmou esta sexta-feira o apoio ao direito de porte de armas no país, sublinhando, numa convenção daquele 'lobby', que "o ataque de oito anos às liberdades consagradas no Artigo 2.º [da Constituição]" terminou.

  • A história de Macron e Brigitte Trogneux, 25 anos mais velha
    1:25

    Eleições França 2017

    A segunda volta das eleições francesas acontece já no próximo dia 7 de maio. Caso Emmanuel Macron seja eleito, o país terá como primeira-dama uma mulher 25 anos mais velha do que o Presidente. Brigitte Trogneux tem 64 anos e Macron 39, conheceram-se no liceu privado de jesuítas, em Amiens. Brigitte era a professora e Macron o aluno. Conheça a história do casal. 

  • Autoridades garantem ter evitado novo ataque terrorista em Londres
    0:59

    Mundo

    A polícia britânica garante que evitou um novo atentado em Londres. Mulher baleada faz parte das oito pessoas que foram detidas numa operação antiterrorista na capital britânica e no sul de Inglaterra. A operação realizou-se após a detenção de um homem com três facas, nas imediações do Parlamento britânico.

  • Presidente da Macedónia convocou reunião de emergência

    Mundo

    O Presidente da Macedónia, Gjorge Ivanov, convocou esta sexta-feira uma reunião de emergência com líderes políticos, após manifestantes, maioritariamente apoiantes da maioria conservadora, invadirem o Parlamento e atacarem deputados da oposição, fazendo 77 feridos.

  • Polícia espanhola divulga imagens de operação anti-jihadista

    Mundo

    A polícia espanhola divulgou esta sexta-feira novas imagens da operação anti-jihadista levada a cabo na terça-feira em Barcelona. Sabe-se agora que dois dos nove suspeitos detidos podem estar relacionados com a célula terrorista de Bruxelas, responsável pelos ataques no Aeroporto de Zaventem e no metro da capital belga.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.