sicnot

Perfil

Economia

Prolongar situação do Banif até 2016 seria "imprevisível" para sistema financeiro

O governador do Banco de Portugal (BdP), Carlos Costa, lembrou hoje que uma tomada de decisão sobre o Banif em 2016 teria de ser feita no quadro do Mecanismo Único de Resolução europeu e seria "imprevisível" para o sistema financeiro português.

Lusa

"Uma resolução em 2016 implicaria uma capitalização interna extensiva que abrangeria os depósitos não protegidos e seria um facto da maior relevância do ponto de vista da confiança dos depositantes do sistema bancário, com risco de contágio a todos os demais bancos do sistema", advogou o governador, que falava na comissão de inquérito sobre o Banif.

Carlos Costa lembrou as regras europeias que entraram em vigor a 01 de janeiro de 2016 no setor bancário, e desse modo sublinhou que o "final de 2015" foi um espaço temporal "importante do ponto de vista de tomada de decisão" em torno do Banif.

O Banco Central Europeu (BCE), diz Carlos Costa, avisou o banco central de Portugal de que uma eventual solução em 2016 envolveria depósitos não protegidos e o prolongar da indefinição em torno do banco teria um "alcance imprevisível" no que refere à "estabilidade financeira nacional", sinalizou, perante os deputados da comissão de inquérito.

A comissão parlamentar de inquérito ao processo que conduziu à venda e resolução do Banco Internacional do Funchal (Banif) ouve desde cerca das 15:15 o governador do banco central.

Na semana passada, foram ouvidos antigos gestores do Banif e o BdP não foi poupado a críticas na sua atuação.

O ex-presidente do Conselho de Administração do Banif Luís Amado disse, por exemplo, que a notícia da TVI sobre o banco, datada de 13 de dezembro de 2015, provocou uma fuga de depósitos elevada e que o BdP "demorou a reagir".

"O banco sentiu-se apoiado pelo Governo, mas o BdP demorou a reagir", disse Luís Amado no parlamento, referindo-se à notícia da TVI de dia 13 de dezembro de 2015, que provocou uma fuga de depósitos próxima de mil milhões de euros nessa semana.

Já no dia anterior à audição de Amado, o ex-presidente executivo do Banif, Jorge Tomé, tinha dito no parlamento que o banco central alterou a sua posição quanto à defesa do banco a partir de meados de novembro, após uma reunião realizada em Bruxelas.

O processo de venda do banco, em dezembro de 2015, domina os trabalhos da comissão de inquérito, que analisa a "avaliação de riscos e alternativas" da decisão, "no interesse dos seus trabalhadores, dos depositantes, dos contribuintes e da estabilidade do sistema financeiro".

Também a avaliação do "comportamento da autoridade de supervisão financeira", o BdP, sobre o caso Banif, é um dos objetivos da comissão parlamentar de inquérito sobre a venda do banco.

Lusa

  • Cinco mil trabalhadores da PT manifestaram-se em Lisboa
    3:55

    Economia

    Perto de cinco mil trabalhadores da PT manifestaram-se esta sexta-feira, em Lisboa. Os números são avançados pelos sindicatos. Os trabalhadores contestam a transferência de funcionários para empresas parceiras da Altice e outras empresas do grupo, sem as mesmas garantias e direitos. A Altice garante que as transferências são legais mas alguns funcionários já levaram o caso a tribunal.

  • Uma viagem aérea pela Lagoa Negra
    1:02
  • Videovigilância regista impacto de sismo na Grécia

    Mundo

    Um sismo de magnitude 6.7 atingiu na quinta-feira o mar Egeu e causou pelo menos dois mortos e mais de 200 feridos. O momento e o impacto causado pelo abalo foram registados através de uma câmara de videovigilância de um café, na ilha grega de Kos, um dos locais mais afetados.

  • A sátira a Sean Spicer no Saturday Night Live
    1:36

    Mundo

    O estilo de Sean Spicer foi controverso desde o início. A relação conflituosa do ex-assessor da Casa Branca com os jornalistas foi muitas vezes satirizada na comunicação social. Um exemplo é um momento do Saturday Night Live, protagonizado pela atriz Meliissa McCarthy.

  • Músico indiano toca guitarra durante cirurgia ao cérebro

    Mundo

    Abhishek Prasad foi submetido a uma cirurgia ao cérebro esta quinta-feira, num hospital na cidade indiana de Bangalore, após anos e anos a sofrer de dolorosos espasmos nas mãos. O insólito do caso foi que o músico indiano teve de tocar guitarra para ajudar os médicos durante a intervenção cirúrgica.