sicnot

Perfil

Economia

Prolongar situação do Banif até 2016 seria "imprevisível" para sistema financeiro

O governador do Banco de Portugal (BdP), Carlos Costa, lembrou hoje que uma tomada de decisão sobre o Banif em 2016 teria de ser feita no quadro do Mecanismo Único de Resolução europeu e seria "imprevisível" para o sistema financeiro português.

Lusa

"Uma resolução em 2016 implicaria uma capitalização interna extensiva que abrangeria os depósitos não protegidos e seria um facto da maior relevância do ponto de vista da confiança dos depositantes do sistema bancário, com risco de contágio a todos os demais bancos do sistema", advogou o governador, que falava na comissão de inquérito sobre o Banif.

Carlos Costa lembrou as regras europeias que entraram em vigor a 01 de janeiro de 2016 no setor bancário, e desse modo sublinhou que o "final de 2015" foi um espaço temporal "importante do ponto de vista de tomada de decisão" em torno do Banif.

O Banco Central Europeu (BCE), diz Carlos Costa, avisou o banco central de Portugal de que uma eventual solução em 2016 envolveria depósitos não protegidos e o prolongar da indefinição em torno do banco teria um "alcance imprevisível" no que refere à "estabilidade financeira nacional", sinalizou, perante os deputados da comissão de inquérito.

A comissão parlamentar de inquérito ao processo que conduziu à venda e resolução do Banco Internacional do Funchal (Banif) ouve desde cerca das 15:15 o governador do banco central.

Na semana passada, foram ouvidos antigos gestores do Banif e o BdP não foi poupado a críticas na sua atuação.

O ex-presidente do Conselho de Administração do Banif Luís Amado disse, por exemplo, que a notícia da TVI sobre o banco, datada de 13 de dezembro de 2015, provocou uma fuga de depósitos elevada e que o BdP "demorou a reagir".

"O banco sentiu-se apoiado pelo Governo, mas o BdP demorou a reagir", disse Luís Amado no parlamento, referindo-se à notícia da TVI de dia 13 de dezembro de 2015, que provocou uma fuga de depósitos próxima de mil milhões de euros nessa semana.

Já no dia anterior à audição de Amado, o ex-presidente executivo do Banif, Jorge Tomé, tinha dito no parlamento que o banco central alterou a sua posição quanto à defesa do banco a partir de meados de novembro, após uma reunião realizada em Bruxelas.

O processo de venda do banco, em dezembro de 2015, domina os trabalhos da comissão de inquérito, que analisa a "avaliação de riscos e alternativas" da decisão, "no interesse dos seus trabalhadores, dos depositantes, dos contribuintes e da estabilidade do sistema financeiro".

Também a avaliação do "comportamento da autoridade de supervisão financeira", o BdP, sobre o caso Banif, é um dos objetivos da comissão parlamentar de inquérito sobre a venda do banco.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • Equipa especial de três magistradas investiga crimes ligados ao futebol
    0:46

    Desporto

    A procuradora-Geral da República criou uma equipa com três magistradas para investigar os inquéritos relativos a crimes ligados ao futebol, que começou a trabalhar no início deste mês, no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP). Na edição do Tempo Extra desta quinta-feira, Rui Santos disse que a equipa promete reultados a curto prazo.

  • Hoje é notícia

    País

    Esta 5ª feira fica marcada pelo debate no Parlamento sobre a paridade, com duas propostas de lei do Governo para aumentar quotas de representação dos sexos de 33,3 para 40% no poder político e nos cargos dirigentes da administração pública. Termina ainda hoje prazo para lesados do BES aderirem a fundo de compensação de perdas. Ao nível internacional, destaque para a proclamação do novo Presidente de Cuba.

  • Mulher de português raptado em Moçambique faz apelo ao Governo
    0:24

    País

    Salomé Sebastião, a mulher do empresário português raptado em julho de 2016, em Moçambique, foi esta quarta-feira ouvida na Comissão Parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, no âmbito da petição entregue na Assembleia da República. A petição, subscrita por mais de quatro mil pessoas, pede aos deputados portugueses que pressionem as autoridades moçambicanas a investigar o paradeiro do português Américo Sebastião.

  • Sismo de magnitude 5,5 no sul do Irão

    Mundo

    Um sismo de magnitude 5,5 atingiu esta quinta-feira o sul do Irão, perto de uma unidade nuclear, abalando o Bahrein e outras áreas ao redor do Golfo Pérsico, segundo o Serviço Geológico dos EUA.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.