sicnot

Perfil

Economia

Taxistas falam hoje das conversações com Governo sobre Uber

As associações do setor dos taxis falam hoje em Lisboa, sobre as conversações que têm mantido com o Governo a propósito da Uber. Os taxistas garantem que estão a preparar ações de sensibilização pública caso o executivo não acabe com a atividade da plataforma em Portugal.

(Arquivo)

(Arquivo)

MÁRIO CRUZ/LUSA

A Federação Portuguesa do Táxi e a Associação Nacional de Transportadores em Automóveis Ligeiros falam dizem que estão a "mobilizar-se para iniciativas de sensibilização pública" e que querem "apresentar as iniciativas a desenvolver caso o executivo não cesse de imediato a atividade da Uber em Portugal".

O Governo apresentou recentemente um pacote de medidas para a modernização do setor do táxi, no valor de 17 milhões de euros, mas os taxistas consideram que se trata de uma "moeda de troca" para que se abra a porta à regulamentação da Uber, cujo serviço (disponível através de uma aplicação informática) sempre contestaram e que já motivou manifestações dos profissionais.

As associações entendem que o setor apenas poderá discutir o pacote de medidas depois de o executivo adotar as "medidas adequadas à cessação da atividade ilegal de transporte em táxi desenvolvida através da plataforma Uber".

Com Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.