sicnot

Perfil

Economia

Banco HSBC empresta 170 milhões de euros à angolana TAAG para compra de novo Boeing

O britânico HSBC, o maior banco europeu e liderado pelo português António Simões, vai garantir o empréstimo de quase 170 milhões de euros à transportadora aérea angolana pública TAAG, para garantir a entrega atempada de um Boeing 777-300ER.

A responsável da DGS explicou que as tripulações das companhias aéreas  estão treinadas para detetar quaisquer sinais de doença ou de alarme (Arquivo Lusa)

A responsável da DGS explicou que as tripulações das companhias aéreas  estão treinadas para detetar quaisquer sinais de doença ou de alarme (Arquivo Lusa)

LUSA

A informação consta de um despacho presidencial de março, ao qual a Lusa teve hoje acesso, autorizando o acordo de financiamento intercalar de 192 milhões de dólares (169 milhões de euros) entre o Estado angolano e um sindicato de bancos liderado pelo HSBC, para o pagamento da aquisição daquela aeronave, a primeira de duas que já deviam ter chegado a Angola.

O mesmo despacho refere que este financiamento estatal - cujas condições não são conhecidas - deverá posteriormente ser liquidada pelos "recursos financeiros a serem futuramente concedidos pelo Ex-Im Bank [agência oficial do governo dos Estados Unidos para financiar as exportações] a favor da TAAG".

A transportadora aérea angolana anunciou em fevereiro que duas novas aeronaves Boeing 777-300ER deveriam chegar a Angola em março e abril, para reforçar as ligações de Luanda a Lisboa, na altura já com um atraso de cerca de três meses face ao previsto inicialmente.

Contudo, até ao momento, não nenhuma das aeronaves chegou ainda a Luanda, confirmou a Lusa junto de fonte da TAAG.

A Lusa noticiou em outubro de 2014 que a TAAG, empresa pública, tinha sido autorizada a contrair um empréstimo de 261,6 milhões de dólares (230 milhões de euros) para adquirir duas aeronaves Boeing 777-300ER, de uma encomenda de três, o primeiro dos quais entrou ao serviço em junho do mesmo ano.

Desde o final de 2015 que a TAAG passou a ser gerida, por acordo com o Estado angolano, pelos árabes da Emirates.

O contrato para a aquisição das três aeronaves foi assinado entre a TAAG e a Boeing a 27 de março de 2012.

De acordo com um despacho presidencial, de 01 de outubro de 2014, a empresa foi autorizada a avançar com um financiamento, para o pagamento antecipado da aquisição destas duas restantes aeronaves, então com entregas previstas para dezembro de 2015 e março de 2016.

Estas aeronaves têm capacidade para transportar 225 passageiros em classe económica, 56 em executiva e 12 em primeira classe, possibilitando o acesso a telemóvel e Internet a bordo.

A administração da TAAG disse anteriormente que o investimento nesta encomenda visa "consolidar os destinos atuais", face a "algumas irregularidades no cumprimento de horário" e outras dificuldades logísticas, podendo depois avançar com novas alternativas de destinos.

A companhia assegura voos internacionais e rotas nacionais com recurso a cinco aeronaves Boeing 737 e seis aviões 777, estes para operar rotas internacionais também para Lisboa e Porto, além do Brasil e Cuba, entre outros destinos.

Lusa

  • Encontrada criança britânica desaparecida na praia da Luz

    País

    Foi encontrada a criança britânica que estava desaparecida desde o início da tarde, avançaram as autoridades. A Polícia Marítima tinha sido informada do desaparecimento de um rapaz de 8 anos, de nacionalidade inglesa, tendo efetuado diligências nas proximidades da praia algarvia.

    Em atualização

  • Marcelo pede "serenidade e cabeça fria" no debate político
    1:29
  • Seca agrava prejuízos agrícolas no Alentejo
    2:11
  • Estudantes universitários poderiam estar a pagar propinas mais baixas
    2:02

    País

    Os alunos universtários poderiam estar a pagar propinas mais baixas do que pagam atualmente. A situação foi denunciada pela Federação Académica do Porto, que diz que os estudantes estão a pagar cerca de 100 euros a mais do que deviam. O INE admite, num documento enviado ao Governo, que pode existir um método melhor para o cálculo destes valores.

  • Várias casas evacuadas devido a chuvas fortes na Alemanha
    0:54
  • Liberdade de movimento entre UE e Reino Unido termina em março de 2019

    Brexit

    A liberdade dos cidadãos europeus para viver e trabalhar no Reino Unido vai terminar, em março de 2019. O Governo britânico pediu esta quarta-feira um estudo de um ano sobre a migração europeia no país, de modo a ajudar no sistema de imigração que será implementado. A avaliação vai estar concluída em setembro, de 2018, seis meses antes da conclusão do Brexit.