sicnot

Perfil

Economia

Banco HSBC empresta 170 milhões de euros à angolana TAAG para compra de novo Boeing

O britânico HSBC, o maior banco europeu e liderado pelo português António Simões, vai garantir o empréstimo de quase 170 milhões de euros à transportadora aérea angolana pública TAAG, para garantir a entrega atempada de um Boeing 777-300ER.

A responsável da DGS explicou que as tripulações das companhias aéreas  estão treinadas para detetar quaisquer sinais de doença ou de alarme (Arquivo Lusa)

A responsável da DGS explicou que as tripulações das companhias aéreas  estão treinadas para detetar quaisquer sinais de doença ou de alarme (Arquivo Lusa)

LUSA

A informação consta de um despacho presidencial de março, ao qual a Lusa teve hoje acesso, autorizando o acordo de financiamento intercalar de 192 milhões de dólares (169 milhões de euros) entre o Estado angolano e um sindicato de bancos liderado pelo HSBC, para o pagamento da aquisição daquela aeronave, a primeira de duas que já deviam ter chegado a Angola.

O mesmo despacho refere que este financiamento estatal - cujas condições não são conhecidas - deverá posteriormente ser liquidada pelos "recursos financeiros a serem futuramente concedidos pelo Ex-Im Bank [agência oficial do governo dos Estados Unidos para financiar as exportações] a favor da TAAG".

A transportadora aérea angolana anunciou em fevereiro que duas novas aeronaves Boeing 777-300ER deveriam chegar a Angola em março e abril, para reforçar as ligações de Luanda a Lisboa, na altura já com um atraso de cerca de três meses face ao previsto inicialmente.

Contudo, até ao momento, não nenhuma das aeronaves chegou ainda a Luanda, confirmou a Lusa junto de fonte da TAAG.

A Lusa noticiou em outubro de 2014 que a TAAG, empresa pública, tinha sido autorizada a contrair um empréstimo de 261,6 milhões de dólares (230 milhões de euros) para adquirir duas aeronaves Boeing 777-300ER, de uma encomenda de três, o primeiro dos quais entrou ao serviço em junho do mesmo ano.

Desde o final de 2015 que a TAAG passou a ser gerida, por acordo com o Estado angolano, pelos árabes da Emirates.

O contrato para a aquisição das três aeronaves foi assinado entre a TAAG e a Boeing a 27 de março de 2012.

De acordo com um despacho presidencial, de 01 de outubro de 2014, a empresa foi autorizada a avançar com um financiamento, para o pagamento antecipado da aquisição destas duas restantes aeronaves, então com entregas previstas para dezembro de 2015 e março de 2016.

Estas aeronaves têm capacidade para transportar 225 passageiros em classe económica, 56 em executiva e 12 em primeira classe, possibilitando o acesso a telemóvel e Internet a bordo.

A administração da TAAG disse anteriormente que o investimento nesta encomenda visa "consolidar os destinos atuais", face a "algumas irregularidades no cumprimento de horário" e outras dificuldades logísticas, podendo depois avançar com novas alternativas de destinos.

A companhia assegura voos internacionais e rotas nacionais com recurso a cinco aeronaves Boeing 737 e seis aviões 777, estes para operar rotas internacionais também para Lisboa e Porto, além do Brasil e Cuba, entre outros destinos.

Lusa

  • Novo dia de protestos contra expropriações na ilha do Farol
    2:30

    País

    A sociedade Polis Ria Formosa concluiu a tomada de posse das construções identificadas como ilegais na ilha do Farol, na Ria Formosa, em Faro. No segundo dia da operação, sob fortes protestos da população, os técnicos da Polis, escoltados pela Polícia Marítima, expropriaram hoje mais 18 construções.

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.

  • Zeca Afonso morreu há 30 anos
    1:11
  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • "Isto é uma mentira e tem carimbo de Estado"
    2:12

    Opinião

    O preço das botijas de gás em Portugal duplicou nos últimos 15 anos. José Gomes Ferreira esteve no Jornal da Noite, da SIC, onde explicou este aumento, lembrando que a classe política prometeu que se houvesse mais empresas a operar no mercado, os preços desciam. Contudo, José Gomes Ferreira diz que "isto é uma mentira e tem carimbo de Estado". O Diretor-Adjunto de Informação SIC explicou que como o mercado é livre, os operadores vendem aos preços mais altos que podem, deste modo os preços não variam muito entre uns e outros.

    José Gomes Ferreira