sicnot

Perfil

Economia

FMI avisa que extensão de acordos de contratação coletiva pode penalizar emprego

O Fundo Monetário Internacional (FMI) considerou hoje que a extensão dos acordos de contratação coletiva "pode prejudicar o emprego" e deu o exemplo de Portugal, alertando para o aumento das desigualdades.

© Yuri Gripas / Reuters

O FMI divulgou hoje os capítulos analíticos do World Economic Outlook de abril, um relatório no qual a instituição liderada por Christine Lagarde atualiza as suas projeções económicas.

No capítulo Tempo para impulsionar o lado da oferta? Os efeitos macroeconómicos das reformas laborais e de produto nas economias desenvolvidas, o FMI fala sobre a necessidade de reformar os sistemas de contratação coletiva para melhorar o emprego e analisa o caso português.

Os acordos de contratação coletiva são negociados entre as entidades empregadoras e os sindicatos, em representação dos trabalhadores afiliados, e pretendem alcançar convenções coletivas de trabalho, que se aplicam a todos os trabalhadores da empresa ou do setor (mesmo os não sindicalizados).

O Fundo destaca que a contratação coletiva "tende a ser particularmente importante na Europa ocidental continental, onde cobre cerca de 80% da força de trabalho", assumindo essencialmente a forma setorial.

A instituição liderada por Christine Lagarde aponta que "países como Portugal e Espanha entraram na crise com sistemas de contratação que continuam a assentar na aplicação do princípio do favorecimento", segundo o qual "as condições de trabalho não podem ser menos favoráveis para os trabalhadores do que aquelas que foram especificadas no acordo do setor".

O Fundo refere que as extensões dos acordos de contratação coletiva "limitam o âmbito da concorrência com base em baixas condições de trabalho" e também reduzem os custos de aderir às negociações, "o que pode ser particularmente importante para empresas pequenas com falta de recursos para aderir aos sistemas de contratação coletiva ao nível da empresa".

No entanto, o FMI avisa que "as extensões têm potencial para prejudicar o emprego e aumentar a sua sensibilidade a mudanças das condições macroeconómicas" e dá o exemplo de Portugal.

Recordando que em junho de 2011, quando o país recorreu ao resgate financeiro externo, o Governo português suspendeu inesperadamente e com efeitos imediatos a extensão dos acordos coletivos de contratação, o FMI refere que isso "implicou que qualquer acordo assinado em março de 2011 ou depois não fosse prolongado".

O FMI compara depois o crescimento do emprego nas empresas não afiliadas com uma associação patronal nos setores em que a contratação coletiva foi introduzida ou revista antes daquela data (tendo o acordo sido prolongado) com as empresas de setores em que a contratação coletiva foi introduzida ou revista depois desta data (não tendo o acordo sido prolongado).

A conclusão é que "o crescimento do emprego entre 2010 e 2011 caiu consideravelmente mais nas empresas não afiliadas que foram alvo de um prolongamento [do acordo de contratação coletiva] face às que não foram".

O FMI defende a necessidade de haver transparência e clareza quanto aos procedimentos destes acordos de negociação coletiva e alerta que, "se as mudanças nas extensões forem aplicadas retroativamente a começar na data do acordo de contratação coletiva, o aumento salarial implícito pode penalizar empresas com dificuldades de liquidez".

Lusa

  • "Estamos vivos"
    11:41

    Reportagem Especial

    Os incêndios de 15 de outubro provocaram sete milhões de euros de prejuízos em empresas da região Norte. Castelo de Paiva foi o concelho mais atingido, o fogo destruiu várias casas e empresas que davam trabalho a cerca de 200 pessoas. Um mês depois do incêndio, a Reportagem Especial da SIC foi ver o que está a ser feito para ajudar a população.

  • Administrador recebia 420 mil € por ano quando aldeamento passava dificuldades
    4:39

    Operação Marquês

    A Caixa Geral de Depósitos tentou cortar para metade o salário do presidente do Conselho de Administração de Vale do Lobo, mas não conseguiu. Diogo Gaspar Ferreira ganhava 420 mil euros por ano, quando o empreendimento estava enterrado em dívidas. A Autoridade Tributária estima também que o arguido da Operação Marquês não tenha declarado 400 mil euros pagos pelo aldeamento.

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Notas e moedas têm os dias contados?
    6:27
  • Político oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.

  • Paris inaugura primeiro restaurante naturista

    Mundo

    Para entrar, é preciso retirar a roupa e apenas as mulheres podem permanecer calçadas. O primeiro restaurante naturista de Paris abriu em novembro para responder a uma necessidade em França, principal destino do mundo para os praticantes de nudismo.

  • Peru faz aparição especial na Casa Branca
    1:10

    Mundo

    Os norte-americanos estão a preparar-se para o tradicional Dia de Ação de Graças, assinalado na próxima quinta-feira. O tradicional peru fez esta terça-feira uma aparição especial na sala de conferências de imprensa, na Casa Branca, em Washington. O peru é o prato tradicional no Dia de Ação de Graças, uma data de louvor a Deus, que remonta ao século XVII e que é celebrada na quarta quinta-feira de novembro, sobretudo nos Estados Unidos da América e no Canadá.

  • Sara Sampaio brilha em Xangai
    1:50