sicnot

Perfil

Economia

Gigante chinês Alibaba é o maior retalhista do mundo

O gigante chinês do comércio eletrónico Alibaba, que controla 75% do setor na China, converteu-se no maior retalhista do mundo, após superar o gigante de distribuição norte-americano Walmart, segundo anunciou hoje em comunicado.

Armazém da empresa Alibaba em Wuhan, na China

Armazém da empresa Alibaba em Wuhan, na China

© China Stringer Network / Reut


Na nota, enviada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários dos EUA, a empresa que gere os portais Taobao e Tmall garante ter registado, no último ano fiscal, o maior volume bruto de vendas a nível mundial.

A informação foi, entretanto, confirmada pela consultora PricewaterhouseCoopers (PwC).

A Wallmart, que concluiu o seu ano fiscal em 31 de janeiro, registou no ano passado 482.100 milhões de dólares (424.816 milhões de euros) em vendas.

O ano fiscal do Alibaba encerrou em 31 de março.

Dez dias antes, o vice-presidente executivo do Alibaba, Joseph Tsai, anunciou que o grupo tinha já movimentado três biliões de yuan (410.000 milhões de euros) em vendas através dos seus portais de comércio 'online'.

"Se estas plataformas fossem uma província, seriamos a sexta maior economia regional da China", afirmou então Tsai.

O número triplica a marca atingida em 2012.

Só no Dia dos Solteiros, celebrado na China a 11 de novembro pelos quatro 'um' que combinam nesta data (11/11) - uma alusão à figura de solteiro - o gigante do comércio eletrónico registou 91.200 milhões de yuan (12.681 milhões de euros) em vendas.

Pelas contas do ministério do Comércio da China, em 2015, as compras 'online' no país excederam os 563.000 milhões de euros - mais do dobro do Produto Interno Bruto português.

Lusa

  • Governo quer reduzir gastos com papel na função pública
    1:08

    Economia

    O Governo proibiu a livre utilização das impressoras pelos funcionários públicos. O ministro das Finanças quer assim reduzir em 20% a despesa em consumo de papel e, ao mesmo tempo, minimizar a perigosidades dos resíduos produzidos com as impressoras, no Estado.