sicnot

Perfil

Economia

UNITA diz que pedido de ajuda reflete "desespero" do Governo angolano

A União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), maior partido da oposição angolana, disse hoje que o pedido de ajuda ao Fundo Monetário Internacional (FMI) "reflete desespero" do Governo.

© SIPHIWE SIBEKO / Reuters

A posição foi hoje manifestada pelo porta-voz do partido, Alcides Sakala, quando reagia em declarações à agência Lusa ao pedido de assistência feito por Angola ao FMI, na aplicação de políticas macroeconómicas e reformas estruturais que diversifiquem a economia e respondam às necessidades financeiras.

"Entendemos que há de facto desespero da parte do executivo angolano, que é penalizado pela falta de transparência e pela forma danosa como geriram os dinheiros que pertence a todos nós", disse Alcides Sakala.

Segundo o porta-voz da UNITA, do ponto de vista político, o Governo angolano - liderado desde 1975 pelo Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) - perdeu toda a credibilidade a nível interno e internacional.

Para o político, esta falta de confiança relativamente às instituições nacionais leva a estas reservas da comunidade internacional, "que agora pensa duas vezes antes de se engajar com o Governo angolano".

"A situação que o país está a viver agora resulta da má gestão, porque quando o petróleo estava em alta a UNITA foi fazendo recomendações muito importantes, que não foram acatadas naquela altura", salientou Alcides Sakala.

Recordou ainda que os empréstimos do FMI têm regras, essencialmente a transparência, e o acompanhamento por aquela instituição da gestão desses financiamentos.

"Portanto, o futuro vai ser mais difícil, não há confiança e toda esta conjuntura é indiciadora da necessidade de se fazerem mudanças políticas em Angola, na perspetiva da mudança da equipa", destacou Alcides Sakala.

Lusa

  • Angola pede ajuda ao FMI pela segunda vez em sete anos
    2:55

    Economia

    Angola pediu ajuda ao Fundo Monetário Internacional. No pico de uma crise económica, por causa das sucessivas quedas do preço do petróleo, o Estado angolano viu-se obrigado a fazer um pedido de assistência financeira, pela segunda vez em sete anos. O país perdeu mais de cinco mil milhões de euros em 2015 com queda do petróleo. O FMI impõe a Angola que diversifique economia e aposte no investimento privado.

  • Angola de novo nos braços do FMI
    6:40

    José Gomes Ferreira

    Depois de um programa de ajuda que se estendeu de 2009 a 2012, Angola volta a pedir ajuda ao Fundo Monetário Internacional. Desta vez o apoio vem com a condição de Luanda diversificar a economia e baixar a dependência do petróleo.

  • "Este resgate era inevitável"
    1:31

    Economia

    O correspondente do Expresso em Angola, Gustavo Costa, considera que chegou a altura do Governo fazer cortes na despesa e diz que o resgate internacional era a única alternativa.

  • Angola pede ajuda externa ao FMI

    Economia

    O Fundo Monetário Internacional anunciou hoje que Angola solicitou um programa de assistência para os próximos três anos, cujos termos serão debatidos nas reuniões de Primavera, em Washington, e numa visita ao país.

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.