sicnot

Perfil

Economia

UNITA diz que pedido de ajuda reflete "desespero" do Governo angolano

A União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), maior partido da oposição angolana, disse hoje que o pedido de ajuda ao Fundo Monetário Internacional (FMI) "reflete desespero" do Governo.

© SIPHIWE SIBEKO / Reuters

A posição foi hoje manifestada pelo porta-voz do partido, Alcides Sakala, quando reagia em declarações à agência Lusa ao pedido de assistência feito por Angola ao FMI, na aplicação de políticas macroeconómicas e reformas estruturais que diversifiquem a economia e respondam às necessidades financeiras.

"Entendemos que há de facto desespero da parte do executivo angolano, que é penalizado pela falta de transparência e pela forma danosa como geriram os dinheiros que pertence a todos nós", disse Alcides Sakala.

Segundo o porta-voz da UNITA, do ponto de vista político, o Governo angolano - liderado desde 1975 pelo Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) - perdeu toda a credibilidade a nível interno e internacional.

Para o político, esta falta de confiança relativamente às instituições nacionais leva a estas reservas da comunidade internacional, "que agora pensa duas vezes antes de se engajar com o Governo angolano".

"A situação que o país está a viver agora resulta da má gestão, porque quando o petróleo estava em alta a UNITA foi fazendo recomendações muito importantes, que não foram acatadas naquela altura", salientou Alcides Sakala.

Recordou ainda que os empréstimos do FMI têm regras, essencialmente a transparência, e o acompanhamento por aquela instituição da gestão desses financiamentos.

"Portanto, o futuro vai ser mais difícil, não há confiança e toda esta conjuntura é indiciadora da necessidade de se fazerem mudanças políticas em Angola, na perspetiva da mudança da equipa", destacou Alcides Sakala.

Lusa

  • Angola pede ajuda ao FMI pela segunda vez em sete anos
    2:55

    Economia

    Angola pediu ajuda ao Fundo Monetário Internacional. No pico de uma crise económica, por causa das sucessivas quedas do preço do petróleo, o Estado angolano viu-se obrigado a fazer um pedido de assistência financeira, pela segunda vez em sete anos. O país perdeu mais de cinco mil milhões de euros em 2015 com queda do petróleo. O FMI impõe a Angola que diversifique economia e aposte no investimento privado.

  • Angola de novo nos braços do FMI
    6:40

    José Gomes Ferreira

    Depois de um programa de ajuda que se estendeu de 2009 a 2012, Angola volta a pedir ajuda ao Fundo Monetário Internacional. Desta vez o apoio vem com a condição de Luanda diversificar a economia e baixar a dependência do petróleo.

  • "Este resgate era inevitável"
    1:31

    Economia

    O correspondente do Expresso em Angola, Gustavo Costa, considera que chegou a altura do Governo fazer cortes na despesa e diz que o resgate internacional era a única alternativa.

  • Angola pede ajuda externa ao FMI

    Economia

    O Fundo Monetário Internacional anunciou hoje que Angola solicitou um programa de assistência para os próximos três anos, cujos termos serão debatidos nas reuniões de Primavera, em Washington, e numa visita ao país.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18