sicnot

Perfil

Economia

Camiões semiautónomos são "futuro das autoestradas mais movimentadas da Europa"

Seis colunas de camiões semiautónomos "inteligentes" chegaram hoje ao porto de Roterdão, finalizando a primeira experiência transfronteiriça com camiões deste tipo.

Mais de uma dúzia de camiões, que circulam sem motorista, construídos por seis dos maiores fabricantes da Europa, chegaram ao porto de Roterdão nos chamados "pelotões de camiões".

Mais de uma dúzia de camiões, que circulam sem motorista, construídos por seis dos maiores fabricantes da Europa, chegaram ao porto de Roterdão nos chamados "pelotões de camiões".

© Jerry Lampen / Reuters

Mais de uma dúzia de camiões, que circulam sem motorista, construídos por seis dos maiores fabricantes (de camiões) da Europa, chegaram ao porto de Roterdão nos chamados "pelotões de camiões" por volta do meio-dia, disse Eric Jonnaert, presidente do órgão que reúne e representa a DAF, a Daimler, a IVECO, a MAN, a Scania e a Volvo.

A técnica de viagem por pelotão engloba 2 ou 3 camiões em coluna que se guiam automaticamente e estão ligados através de 'wireless' ao camião líder que determina a rota e a velocidade.

A chegada de hoje conclui a primeira experiência transfronteiriça com este tipo de camiões semiautónomos, que partiram de sítios tão longe como a Suécia e a Alemanha do Sul, explicou Jonnaert à agência noticiosa AFP.

"A técnica de viagem por pelotão irá garantir um transporte mais limpo e mais eficiente. Veículos "inteligentes" também contribuem para a segurança rodoviária, porque a maioria dos acidentes são causados por falha humana", disse a ministra holandesa Melanie Schultz van Haegen.

Os organizadores do exercício dizem que estes camiões vão revolucionar o futuro do transporte rodoviário nas autoestradas europeias mais movimentadas.

Lusa

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC