sicnot

Perfil

Economia

"Se houver necessidade de medidas adicionais, elas serão tomadas"

O Governo considera que não serão precisas medidas adicionais ao Orçamento do Estado para 2016, garantindo que se houver necessidade elas serão tomadas, mas poupando salários, pensões, impostos sobre o trabalho e bens essenciais do IVA.

António Costa, primeiro-ministro

António Costa, primeiro-ministro

Geert Vanden Wijngaert

Em entrevista à TSF e ao DN, o primeiro-ministro disse que tem toda a confiança que o OE2016 chegue a maio. Caso não acontecça, as medidas adicionais nunca passarão pelo corte de salários, pensões, impostos sobre o trabalho nem sobre bens essenciais do IVA.


Costa defende ainda que era útil para o país encontrar um veículo de resolução do crédito malparado e considerou que só as instituições europeias podem responder se Portugal precisa de uma nova ajuda externa para o sistema financeiro.

O primeiro ministro elogiou ainda Marcelo Rebelo de Sousa e a menasagem de estabilidade e tranquilidade que o Presidente da República tem transmitido ao país.

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02