sicnot

Perfil

Economia

Acordo no BPI não teria sido possível sem a intervenção de todos, diz Marcelo

Acordo no BPI não teria sido possível sem a intervenção de todos, diz Marcelo

O Presidente da República manifestou hoje contentamento pelo acordo no BPI entre os espanhóis do Caixa Bank e a empresária angolano Isabel dos Santos. Marcelo Rebelo de Sousa disse que ele próprio tentou ajudar a um acordo e aplaudiu a colaboração de todos os que se esforçaram.

Em declarações aos jornalistas, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa referiu que "modestamente, o Presidente da República também tentou colaborar, mas foi sobretudo bom para o país".

"Estou satisfeito pelo facto de ter sido fechado o acordo. Foi obra da intervenção dos privados, das entidades reguladoras e dos órgãos do poder político. Sem a intervenção de todos não teria sido possível chegar onde se chegou", afirmou o chefe de Estado.

Marcelo Rebelo de Sousa esteve hoje no Hospital de Santa Maria a inaugurar a sede da associação Amigas do Peito, que apoia as mulheres com cancro de mama.

O ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, participou igualmente na iniciativa, na qual também esteve presente a antiga titular desta pasta e ex-candidata presidencial Maria de Belém Roseira.

O BPI anunciou no domingo que as negociações entre os catalães do CaixaBank e a Santoro Finance, da empresária angolana Isabel dos Santos, foram concluídas com sucesso, permitindo resolver a "situação de incumprimento pelo banco BPI do limite de grandes riscos".

Estes dois acionistas do BPI - o Caixabank, com 44,10% do capital social do banco e a Santoro com 18,58% - tinham até ao final do dia de domingo para chegar a um acordo que cumprisse a redução do excesso de exposição a Angola estipulada pelo Banco Central Europeu (BCE).

Este acordo era necessário uma vez que o BCE considera Angola um dos países que não têm regulação e supervisão semelhantes às existentes na União Europeia, pelo que o BPI tinha de ajustar a sua exposição àquele mercado.

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) suspendeu hoje a negociação das ações do BPI na bolsa de Lisboa até à divulgação de mais informações sobre o acordo fechado no domingo.

Com Lusa

  • "BPI vai passar a estar em condições de concorrer à compra do Novo Banco"
    0:42

    Opinião

    "É uma ótima notícia para Portugal, o BPI vai passar a estar em condições de concorrer à compra do Novo Banco", considerou Luís Marques Mendes no habitual comentário no Jornal da Noite na SIC. O acordo entre a empresária angolana Isabel dos Santos e CaixaBank foi fechado na sequência de uma reunião que decorreu este domingo entre os acionistas do BPI. Marques Mendes felicitou o entendimento.

  • CMVM suspende negociação das ações do BPI

    Economia

    A negociação das ações do BPI na bolsa portuguesa está suspensa “até à divulgação de informação relevante”, anunciou a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) esta manhã. O regulador quer esclarecimentos sobre o acordo entre o CaixaBank e Isabel dos Santos.

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.