sicnot

Perfil

Economia

China confiante que reforma fiscal vai fortalecer a economia

O Governo chinês previu esta terça-feira "complicações" na reforma fiscal que encetará a partir de maio, mas renovou a confiança de que o corte de 500.000 yuan, cerca de 77.400 milhões de euros, nos impostos em 2016 fortalecerá a economia.

Andy Wong

A reforma visa eliminar os impostos sobre o volume de negócios das empresas, aplicando antes o Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), nos setores da construção, imobiliário, finanças e serviços, afirmou hoje o vice-ministro das Finanças chinês, Shi Yaobin.

No conjunto, a reforma afetará onze milhões de empresas.

Shi assinalou que os quatro setores referidos representam 80% da receita fiscal do Estado.

"Estes quatro setores são mais complexos e atraem maior atenção pública", assinalou o vice-ministro das Finanças, sublinhando a complexidade do que qualificou como uma "batalha da reforma" económica no país.

Os onze milhões de empresas sobre as quais será aplicado o IVA a partir de maio representam quase o dobro das que foram já sujeitas à reforma fiscal e que incluem os setores dos transportes, telecomunicações ou serviços culturais.

Com esta medida, o Governo visa introduzir a propriedade imobiliária das empresas no esquema de deduções contemplado no IVA, de forma a reduzir a carga fiscal.

Segundo o vice-ministro, a reforma permitirá injetar "novo vigor" na economia e "beneficiar o crescimento económico".

Lusa

  • Mais de 1600 fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado fez mais de 1600 ações de fiscalização a Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS), das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público. Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.