sicnot

Perfil

Economia

China confiante que reforma fiscal vai fortalecer a economia

O Governo chinês previu esta terça-feira "complicações" na reforma fiscal que encetará a partir de maio, mas renovou a confiança de que o corte de 500.000 yuan, cerca de 77.400 milhões de euros, nos impostos em 2016 fortalecerá a economia.

Andy Wong

A reforma visa eliminar os impostos sobre o volume de negócios das empresas, aplicando antes o Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), nos setores da construção, imobiliário, finanças e serviços, afirmou hoje o vice-ministro das Finanças chinês, Shi Yaobin.

No conjunto, a reforma afetará onze milhões de empresas.

Shi assinalou que os quatro setores referidos representam 80% da receita fiscal do Estado.

"Estes quatro setores são mais complexos e atraem maior atenção pública", assinalou o vice-ministro das Finanças, sublinhando a complexidade do que qualificou como uma "batalha da reforma" económica no país.

Os onze milhões de empresas sobre as quais será aplicado o IVA a partir de maio representam quase o dobro das que foram já sujeitas à reforma fiscal e que incluem os setores dos transportes, telecomunicações ou serviços culturais.

Com esta medida, o Governo visa introduzir a propriedade imobiliária das empresas no esquema de deduções contemplado no IVA, de forma a reduzir a carga fiscal.

Segundo o vice-ministro, a reforma permitirá injetar "novo vigor" na economia e "beneficiar o crescimento económico".

Lusa

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.

  • TAP recruta mais assistentes de bordo
    2:40

    Economia

    A TAP assegura que, até ao final de outubro, os problemas com falta de tripulação vão terminar. Até ao final do ano vão ser contratados novos assistentes de bordo, mas o sindicato diz que não chega.

  • "Um ataque e uma humilhação contra o povo catalão"
    1:35