sicnot

Perfil

Economia

FMI corta crescimento de Portugal em 2016 e espera desaceleração até 2021

O FMI cortou as previsões de crescimento económico de Portugal e continua a ser mais pessimista do que o Governo, antecipando que o PIB aumente 1,4% em 2016 e que o ritmo de crescimento desacelere até 2021.

reuters

No 'World Economic Outlook', hoje divulgado, o Fundo Monetário Internacional (FMI) atualiza as suas projeções económicas globais até 2021 e, em relação a Portugal, as estimativas da instituição liderada por Christine Lagarde são agora mais pessimistas do que eram em outubro, quando foram conhecidas as anteriores projeções.

Para 2016, o FMI espera que o Produto Interno Bruto (PIB) de Portugal cresça 1,4% (ligeiramente abaixo dos 1,5% antecipados anteriormente), uma projeção que é mais conservadora do que a apresentada pelo Governo que, em janeiro, disse esperar que a economia portuguesa cresça 1,8% este ano.

O Fundo reviu em alta a sua previsão para a taxa de desemprego, esperando que fique nos 11,6% da população ativa este ano, uma estimativa que é ligeiramente mais pessimista do que a do executivo de António Costa, que aponta para os 11,3%.

O FMI calcula ainda que a taxa de inflação se fixe nos 0,7% (contra os 1,3% previstos em outubro) e que as contas externas de Portugal atinjam os 0,9% do PIB no final de 2016 (abaixo dos 1,6% antecipados há seis meses).

Já para 2017, a instituição de Christine Lagarde espera que o ritmo de crescimento da economia portuguesa abrande para os 1,3% e que seja ligeiramente inferior em 2021, de 1,2%.

O FMI antecipa que a taxa de desemprego recue para os 11,1% no próximo ano, que a inflação seja de 1,2% e que as contas de Portugal com o estrangeiro correspondam a 0,4% do PIB.

  • Pecado da gula ameaça maior anfíbio do mundo

    Mundo

    O maior anfíbio do mundo está em sério risco de extinção. Iguaria muito apreciada no Oriente, a salamandra-gigante-da-China já praticamente desapareceu do seu habitat natural, concluiu uma pesquisa realizada durante quatro anos. Em contraste, milhões destes animais são reproduzidos em cativeiro e têm como destino restaurantes de luxo.

  • Reclusos limpam Ria Formosa
    3:01

    País

    Alguns reclusos do estabelecimento prisional de Olhão estão pela segunda vez a limpar a ilha da Armona, na Ria Formosa. São homens que beneficiam de regime aberto e, em fim de cumprimento de pena, têm com este trabalho uma amostra da liberdade que tanto aguardam.

  • Lembra-se dos olharapos da Expo'98? Estão de volta
    1:46