sicnot

Perfil

Economia

FMI piora estimativa do défice português para 2,9% em 2016

O Fundo Monetário Internacional (FMI) piorou hoje as projeções orçamentais de Portugal, esperando que o défice seja de 2,9% este ano e que a dívida fique nos 127,9%, mantendo-se acima dos 120% até 2021.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

REUTERS

Na base de dados do "World Economic Outlook", hoje disponibilizada no portal da instituição na internet, o FMI apresenta as suas previsões económicas e também previsões para o défice orçamental e para a dívida pública para os vários países até 2021.

O FMI espera que o défice português seja de 2,9%, acima dos 2,7% previstos em outubro e também acima dos 2,2% antecipados pelo Governo de António Costa. Em 2021, o último ano das projeções do FMI, Portugal deverá ter um défice de 2,8%.

Quanto à dívida pública, a instituição liderada por Christine Lagarde também apresentou agora estimativas mais pessimistas do que as avançadas em outubro, prevendo que a dívida portuguesa seja de 127,9% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano, sendo que há seis meses previa que a dívida fechasse o ano de 2016 nos 125%.

As projeções agora apresentadas pelo FMI são mais pessimistas do que as do Governo, que antecipa que o rácio da dívida sobre o PIB seja de 127,7% no final de 2016.

Para 2021, o Fundo espera que a dívida pública portuguesa caia para os 123,8%, mantendo-se acima dos 120% do PIB em todo o horizonte das projeções. Há seis meses, o FMI esperava que a dívida recuasse para os 118,9% em 2020.

Lusa

  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48