sicnot

Perfil

Economia

Fundo piora estimativa de crescimento mundial para 3,2% em 2016

O FMI reviu hoje em baixa as projeções para a evolução da economia mundial, antecipando um crescimento global de 3,2% em 2016, e alertou para uma "imagem mais nebulosa" da economia global e para riscos negativos crescentes.

reuters

No 'World Economic Outlook', hoje divulgado, o Fundo Monetário Internacional (FMI) atualiza as projeções económicas até 2021, depois de em janeiro ter apresentado previsões apenas para as maiores economias do mundo.

A economia mundial deverá crescer 3,2% este ano e acelerar o ritmo de crescimento para os 3,5% em 2017, mas estas projeções são agora mais pessimistas do que as apresentadas em janeiro, altura em que o FMI esperava um crescimento económico mundial de 3,4% em 2016 e de 3,6% em 2017.

A instituição liderada por Christine Lagarde escreve que o crescimento mundial "deve permanecer modesto em 2016" e que "os mercados emergentes e as economias em desenvolvimento vão representar a fatia de leão do crescimento mundial" este ano, ainda que o FMI preveja um aumento do crescimento destas economias "apenas modesto" face a 2015, "permanecendo dois pontos percentuais abaixo da média da década passada".

O FMI antecipa que as economias emergentes cresçam 4,1% este ano e 4,6% no próximo, projeções que são ligeiramente mais baixas do que as divulgadas em janeiro (-0,2 e -0,1 pontos, respetivamente).

Considerando as grandes economias emergentes, o Fundo prevê que a China abrande o ritmo de crescimento para os 6,5% este ano e para os 6,2% no próximo e prevê, pelo contrário, que a Índia tenha um crescimento de 7,5% nos dois anos, depois de ter crescido 7,3% em 2015.

Os países da América Latina e Caraíbas deverão recuar 0,5% este ano, mas crescer 1,5% em 2017, destacando-se o Brasil, cuja economia deverá contrair-se 3,8% em 2016 e apresentar um crescimento nulo em 2017.

Quanto às economias desenvolvidas, o Fundo espera um crescimento económico de 1,9% em 2016 e de 2% em 2017, valores que eram também mais otimistas em janeiro (em 0,2 e 0,1 pontos, respetivamente).

Dentro das economias consideradas desenvolvidas, o FMI prevê que a zona euro cresça 1,5% este ano e 1,6% no próximo, sendo que há apenas três meses antecipava que as economias da moeda única europeia crescessem mais 0,2 pontos em 2016 e mais 0,1 pontos em 2017.

A instituição prevê que a economia norte-americana cresça 2,4% este ano e 2,5% no próximo, o que se traduz uma revisão em baixa de 0,2 pontos e de 0,1 pontos, respetivamente.

Já o Japão deverá apresentar um crescimento de 0,5% em 2016 mas a economia nipónica deverá recuar 0,1% em 2017, segundo as projeções do Fundo, que foram agora cortadas em 0,5 pontos em 2016 e em 0,4 pontos em 2017.

O FMI adverte que, não só o seu cenário central "é agora menos favorável e menos provável", como também "os resultados negativos tornaram-se mais prováveis", reportando, por isso, uma "imagem mais nebulosa dos fundamentais económicos".

Quanto aos riscos, o Fundo destaca "o regresso da turbulência financeira", que pode prejudicar a confiança e a procura, mas também a saída de capitais dos mercados emergentes, "que pode depreciar ainda mais as suas moedas e, eventualmente, desencadear efeitos adversos nos balanços".

Outra "ameaça" identificada pelo FMI é que "o crescimento persistentemente lento" terá efeitos negativos no potencial de crescimento das economias e, por arrasto, no consumo e no investimento.

O Fundo aponta ainda "pressões com origens políticas, geopolíticas ou naturais", alertando que "o medo do terrorismo também desempenha um papel" e que há o risco de as economias adotarem "políticas mais nacionalistas, incluindo [medidas] protecionistas".

Além disso, o FMI entende também que uma eventual saída do Reino Unido da União Europeia, o chamado 'Brexit', "poderia implicar danos regionais e globais severos, ao romper as relações comerciais estabelecidas".

Quanto à "tragédia dos fluxos de entrada [na Europa] de refugiados em larga escala", o Fundo entende que pode gerar "extremismos violentos ou movimentos sectários", fatores que também prejudicariam as economias que os recebem e os países vizinhos.

  • Proteção Civil desmobiliza meios em Setúbal

    País

    A Proteção Civil vai começar a desmobilizar, hoje à tarde, meios de combate ao incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal e que já está em fase de rescaldo, disse à agência Lusa o vereador da Proteção Civil Municipal.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • Portugal condenado por decisão "discriminatória e preconceituosa"
    1:19

    País

    Portugal voltou a ser condenado pelo Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, desta vez por causa de uma decisão discriminatória e preconceituosa. Trata-se do caso da mulher a quem o Supremo Tribunal Administrativo baixou o valor de uma indemnização por negligência médica. Entre os vários argumentos usados, os juízes portugueses consideraram que a sexualidade é menos importante quando se tem 50 anos e dois filhos.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26

    País

    O candidato do PSD à Câmara Municipal de Loures, André Ventura, foi entrevistado esta terça-feira na Edição da Noite da SIC Notícias. Em análise, a polémica em torno das declarações do candidato sobre a comunidade cigana.

    Entrevista SIC Notícias

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.