sicnot

Perfil

Economia

Governo recusa pagar prejuízos dos swap ao Santander

O Governo recusa-se a pagar os prejuízos causados ao Santander no caso dos swaps. O Ministério das Finanças diz que a sentença de Londres "carece de reconhecimento por um tribunal português". Por isso, o Ministério tutelado por Mário Centeno diz que até tal acontecer, não vai pagar.

Mark Lennihan/ AP

O tribunal britânico já decidiu, contudo, que as empresas públicas têm até 22 de abril para pagar os 360 milhões de euros em dívida. Caso isso não aconteça, o Santander pode avançar com a liquidação dos contratos e os prejuízos passam a ascender aos 1800 milhões de euros.

De acordo com o jornal Público, questionado sobre como procederá o Estado perante as exigências de pagamento, o Ministério respondeu que “a execução de uma sentença estrangeira carece de reconhecimento por um tribunal português”, acrescentando que “esta sentença não é executável em Portugal, nos termos do quadro legal aplicável”.

A decisão do Governo é controversa, há juristas que defendem que uma condenação de um tribunal de um país europeu não necessita de ser validada por um tribunal português.

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.