sicnot

Perfil

Economia

99 milhões de euros de prejuízo na TAP

99 milhões de euros de prejuízo na TAP

São os piores resultados da TAP nos últimos 8 anos. Pior, só no pico da crise, em 2009. A companhia aérea nacional teve prejuízos de 99 milhões de euros no ano passado. A transportadora justifica o mau resultado com os 91 milhões que tem retidos na Venezuela, em bilhetes que não foram pagos.

David Neeleman já tinha preparado caminho para o desastre. Por várias vezes, disse aos jornalistas que no ano passado, A TAP tinha tido os piores resultados dos últimos 15 anos.

Afinal, não foram os piores, mas foram bem negativos. Só o negócio aéreo, a TAP e a Portugália, tiveram prejuízo de 99 milhões de euros.

A companhia não apresentou os resultados aos jornalistas, ao contrário dos últimos anos, mas num comunicado a que a SIC teve acesso, refere que tem 91 milhões de euros retidos na Venezuela, que não sabe se o governo de Nicolás Maduro vai devolver. Dinheiro que teve de incluir nas contas do ano passado e que dispararam os prejuízos.

Mas esses milhões só explicam parte do problema. Sem a Venezuela, a TAP ainda tinha tido um prejuízo de 8 milhões.

As receitas chegaram aos 2.300 milhões de euros, mas foram inferiores a 2014.

A companhia gastou menos 138 milhões de euros com petróleo, araças à queda do preço do crude. Foi o que ajudou várias companhias europeias a voltarem aos lucros, mas para a TAP não foi suficiente.

A administração também justifica o mau desempenho com a greve de 10 dias, em maio, que terá retirado a confiança dos passageiros, e com a crise no Brasil e em Angola, sois dos principais mercados da TAP.

Pior, só em 2009, no pico da crise, quando a companhia teve prejuízos recorde de 209 milhões de euros.

Estes 99 milhões são o prejuízo apenas do negócio aéreo. A TAP não divulgou os resultados do grupo, que tem outras empresas como a manutenção no Brasil, que sempre teve com contas no vermelho. Em 2014, o grupo teve um prejuízo de 86 milhões de euros.

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Míssil lançado do Iémen intercetado perto de Meca

    Mundo

    Um míssil balístico lançado pelos rebeldes xiitas do Iémen foi intercetado, quinta-feira à noite, perto de Meca, na Arábia Saudita, a um mês da peregrinação muçulmana anual do hajj, anunciou a coligação árabe que intervém no Iémen.