sicnot

Perfil

Economia

Funcionários da Portway em greve no Aeroporto do Porto

Os trabalhadores da Portway no Aeroporto do Porto iniciam na quinta-feira uma greve por tempo indeterminado, entre as 05:00 e as 07:00 e ao trabalho suplementar, em protesto contra o despedimento coletivo de 257 funcionários da empresa de handling.

LUSA

Em declarações à agência Lusa, o dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos Fernando Henriques afirmou que a paralisação dos funcionários decorre "no período em que há maior onda de operação Ryanair", pelo que se prevê que motive "perturbações e atrasos" nos voos.

"Obviamente não serão cancelamentos, porque são pequenas faixas horárias de duas horas, mas seguramente haverá atrasos, até pelo efeito dominó, de voo para voo", disse.

De acordo com o dirigente sindical, durante o período de greve de quinta-feira os trabalhadores irão concentrar-se à porta do Aeroporto Francisco Sá Carneiro, devendo depois fazê-lo regularmente, "pelo menos uma vez por semana", enquanto durar a greve.

Em causa está o despedimento coletivo de 257 trabalhadores anunciado a 23 de março pela Portway - empresa de handling, que presta assistência a passageiros e bagagens em escala -, na sequência do fim da prestação de serviços à companhia aérea Ryanair nos aeroportos de Faro, Lisboa e Porto.

Segundo Fernando Henriques, no Porto serão abrangidos pelo despedimento 121 trabalhadores (44 com efeitos a 15 de julho e os restantes a 31 de outubro), enquanto em Faro serão 54 os funcionários afetados e, em Lisboa, 81, em ambos os casos com saída agendada para o final de outubro.

De acordo com o dirigente sindical, a greve no Aeroporto do Porto - que precede a já anunciada para segunda-feira nos três aeroportos do país, entre as 08:00 e as 15:00, e uma greve também por tempo indeterminado a iniciar na próxima terça-feira, entre as 08:00 e as 11:00, no Aeroporto de Lisboa - visa denunciar a "fraude", a "ilegalidade e a cumplicidade" da Autoridade Nacional de Aviação Civil, da Portway e do Governo.

"Apontamos três grandes responsáveis por esta intenção de despedimento: o grupo Vinci/Portway, a ANAC e o Governo, porque há da parte de todas estas entidades cumplicidade no sentido de permitir a ilegalidade e a fraude que neste momento a Groundlink comete com a Ryanair e que está na base do despedimento coletivo", explicou à Lusa.

Segundo Fernando Henriques, a não renovação dos contratos entre a Ryanair e a Portway (após esta ter comunicado à companhia aérea a intenção de renegociar em alta os valores cobrados pelo handling) só aconteceu porque a Ryanair "sente que pode fazer no Continente aquilo que faz hoje em Ponta Delgada", numa situação de "clara fraude à lei da assistência em escala".

"Em Ponta Delgada a Ryanair tem um falso selfhandling (autoassistência), que na prática é assegurado pela Groundlink, que só está licenciada para a assistência a passageiros", denunciou, salientando que esta empresa, ao contrário do que está previsto na lei, "não tem qualquer contratação coletiva" e presta o serviço à Ryanair por um valor que "ronda os 270 euros" porque "é garantido por trabalhadores que vão lá fazer duas horas por dia e que trabalham duas horas para uma empresa e outras duas para outra".

Reclamando a intervenção da tutela, o SITAVA afirma que "a atuação da parte de qualquer uma das três entidades - Portway/Vinci, ANAC ou Governo - poderá a qualquer momento levar a suspender, anular ou cancelar a greve", que pode assim manter-se "por uma semana, por duas ou por um mês".

"Porque a Ryanair só tomou esta atitude de deixar de ser assistida pela Portway por perceber que há um caminho - o da ilegalidade - em que não tem que cumprir contratação coletiva e pode pagar salário mínimo a recibos verdes, o que traz um custo para a sua operação abaixo do que paga hoje na Portway", sustenta o sindicato.

Lusa

  • Sismo de magnitude 4,0 provoca um morto em Nápoles

    Mundo

    Um sismo de magnitude 4,0 na escala de Richter atingiu esta segunda-feira a ilha de Ísquia no golfo de Nápoles, no mar Tirreno, no sul de Itália. De acordo com o jornal La Stampa uma mulher terá morrido e dois feridos estarão em perigo de vida.

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.