sicnot

Perfil

Economia

Não há incompatibilidades na contratação de Maria Luís Albuquerque pela Arrow

Não há incompatibilidades na contratação de Maria Luís Albuquerque pela Arrow

Não há incompatibilidades na contratação de Maria Luís Albuquerque pelo grupo de gestão de créditos Arrow. Esta é a conclusão do relatório da subcomissão de Ética que foi aprovado esta manhã no Parlamento. Na reação, Maria Luis Albuquerque incentiva o PCP a enviar as informações para o Ministério Público, como prometeu, e exige um pedido de desculpas se o caso for arquivado.

  • Ex-ministra diz que Ample não concorreu à compra do Banif
    0:23

    Banif

    Maria Luís Albuquerque rejeita que a proposta de compra do Banif pelo fundo de Hong Kong fosse mais que uma manifestação de interesse. À entrada para a Comissão de Economia, onde está a ser ouvida no Parlamento, a antiga ministra das Finanças explicou porque é que o Governo não considerou a proposta da Ample.

  • Parecer que "iliba" ex-ministra aprovado com abstenção do PS

    País

    A subcomissão de ética da 1.ª Comissão Parlamentar (Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias) aprovou hoje o parecer que afasta incompatibilidades ou impedimentos da deputada social-democrata Maria Luís Albuquerque, nomeada diretora não executiva do grupo britânico Arrow Global. O PS absteve-se e BE e PCP votaram contra.

  • Seca agrava prejuízos agrícolas no Alentejo
    2:11
  • Al Gore e Garry Kasparov vão estar na Web Summit

    Web Summit

    Al Gore, antigo vice-Presidente dos Estados Unidos da América, Garry Kasparov, lendário jogador de xadrez, e Steve Huffman, o dirigente e cofundador da rede social Reddit são os novos nomes anunciados para a 2.ª Web Summit em Lisboa.

  • Estudantes universitários poderiam estar a pagar propinas mais baixas
    2:02

    País

    Os alunos universtários poderiam estar a pagar propinas mais baixas do que pagam atualmente. A situação foi denunciada pela Federação Académica do Porto, que diz que os estudantes estão a pagar cerca de 100 euros a mais do que deviam. O INE admite, num documento enviado ao Governo, que pode existir um método melhor para o cálculo destes valores.