sicnot

Perfil

Economia

"Portugal não pode pagar 200 M€ em prestações sociais indevidamente"

"Portugal não pode pagar 200 M€ em prestações sociais indevidamente"

De acordo com o ministro do Trabalho e da Segurança Social, em 2015, o Estado pagou indevidamente 200 milhões de euros em prestações sociais. Destes, 103 milhões de euros foram gastos no subsídio de desemprego e 36 milhões de euros no abono de família.

Vieira da Silva avançou esta manhã no Parlamento que o Governo se prepara para apertar as regras de modo a combater a fraude e a evasão contributiva.

O ministro reconheceu que o subsídio de desemprego é a prestação social mais suscetível à fraude e admitiu a possibilidade de alterar as regras de apresentação periódica dos desempregados.

O Governo vai fazer uma revisão completa da legislação sobre o Rendimento Social de Inserção (RSI), em prol da transparência na atribuição desta prestação.

  • Combate à precariedade laboral é uma prioridade do Governo
    2:22

    Economia

    O Governo definiu esta manhã como prioridade o combate aos falsos recibos verdes e a outras formas precárias de trabalho. O ministro de Trabalho Vieira da Silva participou no debate agendado pelo PCP, onde denunciou o facto de apenas 20% dos contratos celebrados nos últimos três meses serem permanentes. O Governo prometeu reduzir progressivamente o recurso a empresas de trabalho temporário.

  • Descida da TSU inconstitucional?
    2:37

    TSU

    Especialistas ouvidos pela SIC põem em causa a constitucionalidade da descida da Taxa Social Única dos patrões, como contrapartida pelo aumento do salário mínimo. Como se trata de um imposto pago pelas empresas, só o Parlamento pode decidir uma alteração nas taxas. Neste caso, o Governo decidiu sozinho.

  • Autocarro com seguranças atacado em Braga
    0:42

    Desporto

    Dois autocarros que transportavam elementos de uma empresa de segurança foram atingidos por tiros e pedras depois do jogo entre o Sporting de Braga e o Vitória de Guimarães. O ataque deu-se a poucos quilómetros do Estádio Municipal de Braga. A PSP e a PJ estiveram no local a recolher provas.