sicnot

Perfil

Economia

Atenas vai subir IVA de 23% para 24%, avança comunicação social grega

O Governo de Alexis Tsipras propôs aos credores internacionais subir a taxa geral do IVA de 23% para 24% para satisfazer assim uma das exigências do Fundo Monetário Internacional (FMI), segundo noticiam os media gregos.

© Yiannis Kourtoglou / Reuters

Segundo as mesmas fontes, a nova subida do IVA (Imposto sobre o Valor Acrescentado) entrará em vigor a 01 de julho e espera-se que origine receitas adicionais de 400 a 500 milhões de euros por ano.

A subida do IVA afetará todos os alimentos que não sejam frescos, como massa, arroz, café, farinha, doces, bem como bebidas e sumos, mas também transportes públicos, a restauração e os livros.

Com esta medida, o Governo pretende compensar o 'buraco' equivalente a 1% do Produto Interno Bruto (PIB) nos Orçamentos do Estado de 2017 e 2018 resultante, segundo os credores, das decisões do ano passado de não subir o IVA de 13% para 23% na fatura da água e da luz e de limitar a subida do IVA das escolas privadas.

O resgate assinado no último verão inclui a hipótese de que se o Governo recusar uma medida de corte proposta pelos credores deve procurar 'alternativas'.

Já no verão de 2015, no processo da negociação do terceiro resgate, a Grécia e os credores internacionais - Comissão Europeia, Banco Central Europeu, Mecanismo Europeu de Estabilidade e FMI - concordaram subir a taxa geral do IVA de 21% para 23%.

Além desta medida, muitos dos produtos que até então estavam sujeitos à taxa reduzida de IVA de 13%, como todos os alimentos processados, passaram diretamente para uma taxa de 23%.

No processo de negociação para fechar a primeira avaliação deste terceiro resgate grego, os credores, mas sobretudo o FMI, mostraram reticências em relação a algumas das fórmulas de poupança propostas pelo Governo e exigem medidas com efeitos imediatos, como são as da subida de impostos indiretos.

Na União Europeia e na zona euro, só a Finlândia, com uma taxa geral de IVA, de 24%, igualaria a Grécia.

O presidente da Câmara de Comércio de Atenas, Yannis Jadyitheodosiu, sublinhou hoje numas declarações no portal económico Naftemporiki que esta nova subida será um novo "golpe brutal" para as famílias e empresas gregas.

O responsável sublinhou que este novo aumento provocará uma redução do consumo, que muitas empresas serão incapazes de ultrapassar.

A este eventual novo aumento será adicionado também em julho, em plena temporada turística, a segunda subida do IVA nas ilhas, que até ao ano passado gozavam de um regime especial insular e nas quais se passará a plicar a mesma taxa que no resto do país.

Lusa

  • Polémica "Supernanny" em debate hoje na SIC
    2:25
  • Democratas aceitam compromisso para acabar com shutdown nos EUA

    Mundo

    Os senadores democratas aceitaram esta segunda-feira um acordo orçamental provisório que vai permitir acabar com a paralisação parcial do Governo federal dos Estados Unidos, situação conhecida como shutdown, anunciou o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza leva turistas a apresentarem queixa

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC