sicnot

Perfil

Economia

BPI não está interessado num eventual veículo para crédito malparado

O presidente do BPI, Fernando Ulrich, disse hoje que o BPI não tem interesse em participar num eventual veículo para 'limpar' do balanço dos bancos os crédito malparado porque o banco tem poucos ativos problemáticos e esses estão bem provisionados.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

"Daquilo que entendo parece-me que não será um projeto do interesse do BPI. É para um banco que tenha muitos ativos problemáticos e que não estão convenientemente provisionados, o BPI não esta nessa situação, não tem necessidade de participar no processo", disse Fernando Ulrich aos jornalistas, à margem da apresentação de um livro em Lisboa.

Ainda assim, o presidente do BPI disse que o banco quererá participar num eventual esquema para retirar ativos 'tóxicos' do balanço dos bancos se isso lhe der vantagens.

"Agora, se der benefícios aos bancos, o BPI quererá beneficiar. Mas se é para resolver problemas, não tem interesse", acrescentou.

Lusa

  • Presidente do BPI relembra que 2015 foi um ano exigente
    0:27

    Economia

    O BPI teve um lucro de 236 milhões de euros em 2015. Em 2014, o banco tinha registado prejuízos de mais de 160 milhões de euros. O banco voltou aos lucros graças à forte recuperação da atividade doméstica, que, em 2014, registava prejuízos de 289 milhões e, um ano depois, um lucro de 93 milhões. O banco conseguiu 24 mil novos clientes no ano passado, apesar de ter fechado 51 balcões. Na apresentação dos resultados finais, Fernando Ulrich falou num ano de desafios para o banco e lembrou que o BPI tentou comprar o Novo Banco, mas não foi o escolhido. Ulrich recordou também o impacto que a resolução do BES e do Banif tiveram no setor bancário.

  • Proposta de criação de banco mau não avançou em 2011

    Economia

    A Associação Portuguesa de Bancos diz que em 2011 propôs ao governo liderado por Passos Coelho a criação de um veículo para a resolução do crédito malparado. A porta-voz da associação disse, esta segunda-feira, que a medida não avançou porque não foi acolhida.

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.