sicnot

Perfil

Economia

BPI não está interessado num eventual veículo para crédito malparado

O presidente do BPI, Fernando Ulrich, disse hoje que o BPI não tem interesse em participar num eventual veículo para 'limpar' do balanço dos bancos os crédito malparado porque o banco tem poucos ativos problemáticos e esses estão bem provisionados.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

"Daquilo que entendo parece-me que não será um projeto do interesse do BPI. É para um banco que tenha muitos ativos problemáticos e que não estão convenientemente provisionados, o BPI não esta nessa situação, não tem necessidade de participar no processo", disse Fernando Ulrich aos jornalistas, à margem da apresentação de um livro em Lisboa.

Ainda assim, o presidente do BPI disse que o banco quererá participar num eventual esquema para retirar ativos 'tóxicos' do balanço dos bancos se isso lhe der vantagens.

"Agora, se der benefícios aos bancos, o BPI quererá beneficiar. Mas se é para resolver problemas, não tem interesse", acrescentou.

Lusa

  • Presidente do BPI relembra que 2015 foi um ano exigente
    0:27

    Economia

    O BPI teve um lucro de 236 milhões de euros em 2015. Em 2014, o banco tinha registado prejuízos de mais de 160 milhões de euros. O banco voltou aos lucros graças à forte recuperação da atividade doméstica, que, em 2014, registava prejuízos de 289 milhões e, um ano depois, um lucro de 93 milhões. O banco conseguiu 24 mil novos clientes no ano passado, apesar de ter fechado 51 balcões. Na apresentação dos resultados finais, Fernando Ulrich falou num ano de desafios para o banco e lembrou que o BPI tentou comprar o Novo Banco, mas não foi o escolhido. Ulrich recordou também o impacto que a resolução do BES e do Banif tiveram no setor bancário.

  • Proposta de criação de banco mau não avançou em 2011

    Economia

    A Associação Portuguesa de Bancos diz que em 2011 propôs ao governo liderado por Passos Coelho a criação de um veículo para a resolução do crédito malparado. A porta-voz da associação disse, esta segunda-feira, que a medida não avançou porque não foi acolhida.

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".