sicnot

Perfil

Economia

Prazo de inscrição para leilão de energia da Deco termina amanhã

O prazo de inscrição para o terceiro leilão de energia da Deco, que se realiza a 21 de abril, termina esta sexta-feira, com tarifários a nível de eletricidade (simples e bi-horária), gás natural ou oferta conjunta.

(Reuters)

(Reuters)

REUTERS

A Associação de Defesa dos Consumidores afirma que "o interesse demonstrado por diversos comercializadores" do mercado permite a realização do leilão, com propostas a nível nacional e regional e convida os consumidores interessados a inscreverem-se no 'site' www.paguemenosenergia.pt.

A Deco pretende apresentar "os melhores preços atuais para dois cenários: os mais baratos, mas com condições associadas (débito direto ou fatura eletrónica, por exemplo), e os tarifários livres destas condições".

Segundo a associação, considerando uma potência e consumo que abrangem o perfil médio de quase metade dos consumidores portugueses (3,45 kVA - Kilovoltampere e 1700 kWh - quilowatt-hora), a fatura anual é superior a 450 euros para quem ainda não saiu da tarifa regulada.

O primeiro leilão de energia da Deco realizou-se em maio de 2013, tendo-se inscrito 600 mil consumidores, e o segundo foi em junho de 2014, que contou com mais de 150 mil inscrições.

Lusa

  • Deco lança novo leilão de energia

    Economia

    Na procura de melhores preços para os consumidores no mercado liberalizado da energia, a Deco lança um novo leilão de energia. Vai ser no dia 21 de abril. Abrange todos os tipos de tarifários de eletricidade, gás natural ou pacotes de oferta conjunta, mas o consumidor terá a liberdade de poder optar por apenas um dos serviços.

  • Oceanário de Lisboa dá formação sobre impacto da acumulação de plásticos nos oceanos
    2:37
  • Trump e Netanyahu discutiram "ameaças que o Irão coloca"

    Mundo

    O novo Presidente norte-americano, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, debateram "as ameaças que o Irão coloca" e concordaram que a paz israelo-palestiniana só pode ser "negociada diretamente", anunciou este domingo a Casa Branca.