sicnot

Perfil

Economia

Função pública ameaça entrar em guerra se não acabarem com as 40 horas

A Federação dos Sindicatos da Função Pública (FNSFP) voltou hoje a exigir a reposição imediata das 35 horas semanais e avisou que se tal não acontecer até 01 de julho, mais tardar, os trabalhadores entram "em guerra completa".

Esta posição foi assumida por Ana Avoila, coordenadora da FNSP, em declarações à agência Lusa durante um plenário de dirigentes e ativistas sindicais, que reuniu mais de 150 pessoas a cerca de 200 metros da residência oficial do primeiro-ministro, António Costa, em Lisboa.

"Se não for 01 de julho é a guerra completa dos trabalhadores. Não aceitamos isso e ninguém vai ficar indiferente ou parado. Vamos lutar até termos as 35 horas de trabalho semanais", afirmou Ana Avoila, sublinhando que o "primeiro-ministro tem de responder pelas promessas que fez" durante a campanha eleitoral para as legislativas.

Segundo a dirigente sindical, a revogação do diploma das 40 horas de trabalho semanal na função pública encontra-se num "impasse", tendo em conta o "arrastar" das audições que o grupo de trabalho criado no âmbito da Comissão parlamentar de Trabalho e Segurança tem vindo a fazer.

Por outro lado, a secretária de Estado da Administração Pública desmarcou uma reunião para apresentar o estudo de impacto da aplicação das 35 horas.

Por estes motivos, Ana Avoila manifestou-se "preocupada" e questionou se de facto "há vontade ou não para avançar rapidamente com a revogação da lei" das 40 horas, aprovada pelo governo anterior (PSD/CDS-PP).

Os dirigentes sindicais presentes no local aprovaram uma resolução na qual exigem a revogação imediata daquela legislação e a reposição das 35 horas semanais para todos os trabalhadores da administração pública, manifestando-se disponíveis para continuar a luta com expressão pública.

Depois, uma delegação de dirigentes sindicais deslocou-se até à residência oficial do primeiro-ministro para a entrega da resolução, tendo os repórteres de imagem e fotógrafos sido impedidos pela PSP de acompanharem os quatro sindicalistas mal estes entraram na Rua da Imprensa à Estrela.

Cerca de quarenta minutos depois, a delegação abandonou o edifício sem ter sido recebida por nenhum elemento do gabinete de António Costa, o que Ana Avoila considerou "vergonhoso", tendo em conta, disse, que o gabinete do primeiro-ministro tinha sido "avisado há quatro dias".

Lusa

  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos.

  • Na linha do triunfo
    16:49
  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57