sicnot

Perfil

Economia

Governo prepara-se para forçar solução no BPI

EXCLUSIVO SIC

Já está em Belém um diploma do Governo que acaba com a limitação dos direitos de voto dos acionistas de bancos, apurou a SIC. Se o Presidente da República promulgar o diploma, o La Caixa vai poder exercer o direito de voto correspondente aos 44% que detém no capital do BPI e a partir daí, assumir o controlo do banco e avançar com uma OPA sobre o restante capital.

© Rafael Marchante / Reuters

Ou seja, o Governo pretende forçar uma solução para o BPI, através da desblindagem dos estatutos, que conferiam poder de veto à empresária angolana Isabel dos Santos.

A alteração da lei que regula a blindagem de estatutos nas sociedades cotadas e nas Ofertas Públicas de Aquisição vai permitir acabar com o poder de bloqueio. Só falta Marcelo Rebelo de Sousa dar luz verde.

Esta tarde, o BPI anunciou que "fica sem efeito o entendimento anunciado a 10 de abril e a solução que estava prevista".

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, o banco critica a Santoro Finance, de Isabel dos Santos, ao dizer que "desrespeitou o que tinha acordado" com o Caixabank.

A administração do BPI diz o mesmo que a holding de Isabel dos Santos "solicitou alterações aos documentos contratuais" que estavam fechados entre as partes.

  • Porque falhou o acordo no BPI
    1:53

    José Gomes Ferreira

    Isabel dos Santos fez cair o acordo que já tinha com o Caixabank no BPI porque o Banco de Portugal e o Banco Central Europeu não deram ainda luz verde aos nomes escolhidos para a administração de outro banco, o banco BIC. A espera não agradou à filha de José Eduardo dos Santos, que atira assim ao chão um acordo que já estava fechado.

  • Caiu acordo do BPI

    Economia

    Caiu o acordo anunciado há uma semana relativo ao BPI. O anúncio é feito num comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários em que o banco responsabiliza a angolana Isabel dos Santos.

  • BPI, Angola e Espanha: principais momentos

    Economia

    A administração do BPI anunciou hoje que ficou sem efeito o acordo que tinha sido estabelecido entre os seus dois maiores acionistas, CaixaBank e Santoro Finance, para resolver o problema da elevada exposição do banco português a Angola. Eis os principais momentos da relação do BPI com Angola e Espanha:

  • António Costa lamenta queda de acordo no BPI
    1:16

    Economia

    O primeiro-ministro lamentou hoje que a Santoro e o Caixabank não tenham chegado a acordo sobre o BPI. Ainda assim, António Costa está confiante e lembra que as exigências do Banco Central Europeu são para cumprir.

  • Santana diz que Marcelo por vezes faz de conta que é primeiro-ministro
    1:12

    País

    Santana Lopes diz que a expectativa que Passos Coelho criou sobre o mau desempenho do Governo se está a virar-se contra ele. Numa entrevista ao jornal Expresso deste sábado, o ex-primeiro-ministro e ex-presidente da Câmara Municipal de Lisboa considera contudo que Passos Coelho ainda poderá ganhar as próximas eleições. Sobre Marcelo, o atual provedor da Santa Casa da Misericórdia diz que por vezes faz de conta que é o primeiro-ministro.

  • Coala do Zoo de Duisburg viaja para Lisboa 

    País

    A SIC acompanhou, em exclusivo, a transferência de uma coala do Zoo de Duisburg, na Alemanha, para o Jardim Zoológico de Lisboa. O animal foi transportado pela TAP e batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Uma reportagem para ver mais logo no Jornal da Noite da SIC.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.