sicnot

Perfil

Economia

Doze dos 20 navios da Transtejo estão imobilizados

O Grupo Transtejo, responsável pelas ligações fluviais entre a margem sul e Lisboa, esclareceu hoje que tem 12 dos seus 30 navios imobilizados, mas assegurou que cumpre todas as certificações necessárias.

O Grupo Transtejo adianta, em comunicado, que, das 12 embarcações imobilizadas, "oito estão em manutenção, sendo expetável que, nas próximas semanas, três desses navios regressem ao serviço".

O PCP, através dos deputados eleitos por Setúbal, questionou o Governo sobre a situação da empresa, frisando que, devido à falta de trabalhadores e "constrangimentos operacionais", existem serviços que não são efetuados.

"São cancelados, em média, seis serviços por dia na Transtejo e seis por semana na Soflusa", referem os deputados, acrescentando que se regista uma "grande imobilização de embarcações".

"Na Transtejo, é quase na ordem dos 50 por cento, em consequência da falta de manutenção da frota, das avarias não resolvidas e da falta de renovação dos certificados de navegabilidade. Isto provoca a supressão de cada vez mais carreiras, com claros prejuízos para os utentes", acrescentam.

Os deputados questionaram o Governo sobre que medidas estão consideradas para a "adoção urgente de [um] plano de modernização" da frota da Transtejo e Soflusa e implementação de um plano de manutenção que devolva a fiabilidade à operação.

O Grupo Transtejo, que engloba as empresas Transtejo e Soflusa, explica que existem quatro navios imobilizados por estarem em processo de obtenção de novo certificado de navegabilidade.

"Estavam envolvidos no anterior processo de alienação, entretanto suspenso, por isso não podiam ser considerados parte da frota disponível", adianta.

A empresa refere que que está empenhada no plano de manutenção, garantindo que dispõem de todas as certificações necessárias às intervenções que realizam na frota.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.