sicnot

Perfil

Economia

Marcelo considera prematuro falar sobre previsões de crescimento económico

O Presidente da República considerou hoje prematuro falar sobre previsões do crescimento, lembrando que esta semana irão a Conselho de Ministros "dois documentos muito importantes para os próximos anos", o Programa de Estabilidade e o Programa Nacional de Reformas.

© Hugo Correia / Reuters

Questionado sobre os alertas da Comissão Europeia para a necessidade de mais medidas de austeridade, o chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, recordou que no final da semana serão aprovados em Conselho de Ministros o Programa de Estabilidade e Crescimento e o Programa Nacional de Reformas, documentos que depois seguirão para o parlamento e, posteriormente, para Bruxelas.

"Até ao momento da sua aprovação é prematuro estar a falar de previsões sobre o crescimento do Produto Interno Bruto, sobre outras variáveis macroeconómicas, vamos esperar", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações aos jornalistas à saída da Academia de Belas Artes, que visitou esta tarde em Lisboa.

Perante a insistência da comunicação social, o Presidente da República acrescentou apenas: "vamos esperar para ver essas perspectivas e, depois de conhecidas, no fim da semana falamos".

No relatório final da terceira missão pós-programa de ajustamento, divulgado na segunda-feira, a comissão europeia insiste que Portugal arrisca ter um desvio orçamental significativo este ano, reiterando que o Governo teria de adotar pelo menos mais 700 milhões de euros em medidas de austeridade para cumprir o ajustamento estrutural exigido de 0,6%.

Lusa

  • Obras no Miradouro de São de Pedro de Alcântara não foram a concurso
    2:50

    País

    As obras no Miradouro de São Pedro de Alcântara, em Lisboa, arrancaram esta segunda-feira. A intervenção foi adjudicada à construtora Teixeira Duarte sem concurso público. A autarquia justifica esta decisão com o caráter urgente da obra, argumento que não consta do relatório do Laboratório Nacional de Engenheria Civil, a que a SIC teve acesso.

  • Rajadas de vento em Moscovo atingem os 110 km/hora
    0:57

    Mundo

    A passagem de uma tempestade por Moscovo fez pelo menos 11 mortos e mais de 50 feridos. Os ventos fortes, que chegaram aos 110 km/hora, destruíram carros e telhados e provocaram atrasos nos transportes. Na região de Stavropol, mais de 60 mil pessoas foram retiradas de casa por perigo de cheias.