sicnot

Perfil

Economia

Acionistas dos bancos podem reavaliar limites aos direitos de voto a cada 5 anos

Os acionistas dos bancos vão poder reavaliar os limites em matéria de direitos de voto, pelo menos, a cada cinco anos, segundo um diploma publicado hoje em Diário da República que abre caminho à desblindagem dos estatutos no BPI.

© Rafael Marchante / Reuters

"A manutenção ou revogação de limites à detenção ou ao exercício dos direitos de voto dos acionistas de instituições de crédito deve ser objeto de deliberação dos acionistas, pelo menos, uma vez em cada período de cinco anos", lê-se no decreto-lei.

Esta deliberação, quando proposta pelo órgão de administração, "não está sujeita a quaisquer limites à detenção ou ao exercício dos direitos de voto, nem a quaisquer requisitos de quórum ou maioria agravados relativamente aos legais", acrescenta.

Os limites à detenção ou ao exercício dos direitos de voto caducam, se no fim de um período de cinco anos não for tomada qualquer deliberação sobre o assunto.

As instituições de crédito cujos estatutos estabeleçam limites aos direitos de voto dos acionistas - exceto as caixas de crédito agrícola mútuo e as caixas económicas, às quais o diploma não se aplica - terão de realizar uma assembleia geral que inclua uma deliberação sobre o assunto na ordem do dia até 31 de dezembro de 2016.

O decreto-lei esclarece, no preâmbulo, que adota "uma solução de equilíbrio" ao atribuir aos acionistas dos bancos "a possibilidade de periodicamente reavaliarem a justificação dos limites estatutários em matéria de detenção e exercício dos direitos de voto", estabelecendo um período "suficientemente alargado para acautelar todos os interesses em presença".

Esta alteração visa também cumprir as recomendações "que têm vindo a ser expressas por diversas entidades", incluindo a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) e as instituições europeias.

No que se refere ao BPI, atualmente nenhum acionista pode votar com mais de 20% dos votos, pelo que apesar de o banco espanhol CaixaBank ter 44,10% do capital está limitado na sua ação, ficando assim numa situação semelhante à da angolana Santoro, da empresária Isabel dos Santos, que tem 18,58%.

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou que este decreto-lei não foi feito apenas para a situação do BPI, já que "há cerca de oito instituições financeiras em Portugal que têm estatutos com restrição dos direitos de voto".

O decreto-lei foi aprovado no Conselho de Ministros de 14 de abril, promulgado a 18 de abril e entra em vigor no dia 01 de julho.

No domingo, o BPI informou que ficou sem efeito o entendimento entre os seus dois principais acionistas (CaixaBank e Santoro Finance), que tinha sido anunciado ao mercado no dia 10 de abril para reduzir a exposição do banco a Angola, exigida pelo Banco Central Europeu (BCE).

Na segunda-feira, o espanhol CaixaBank anunciou a intenção de lançar uma Oferta Pública de Aquisição de ações (OPA) voluntária sobre o BPI, oferecendo 1,113 euros por cada ação do banco que não controla (55,9%).

Esta operação está condicionada à eliminação da limitação de 20% nos direitos de voto do BPI, a alcançar mais de 50% do capital do banco e à obtenção das autorizações regulatórias.

Na terça-feira, a Santoro negou ter quebrado qualquer acordo com o CaixaBank e acusou o Governo português de "favorecer uma das partes". Posteriormente, o BPI refutou a versão apresentada pela Santoro, afirmando não reconhecer a versão dos factos apresentada.

Lusa

  • BPI "não reconhece a versão dos factos apresentada" pela Santoro Finance

    Economia

    O BPI respondeu à versão apresentada por Isabel dos Santos para o falhanço das negociações sobre o banco. Em comunicado à CMVM, o BPI esclarece desde logo que "não reconhece a versão dos factos apresentada". O banco liderado por Fernando Ulrich garante que houve acordo entre os dois maiores acionistas, ao contrário do que afirma a Santoro Finance, da empresária angolana.

  • Caixabank quer totalidade do BPI se houver desblindagem dos estatutos
    2:26

    Economia

    Os espanhóis do Caixabank querem comprar o BPI para forçar a saída do capital angolano, como exigem as autoridades europeias. A Comissão de Mercado de Valores Mobiliários já autorizou a operação. O CaixaBank lançou uma Oferta Pública de Aquisição, depois de Isabel dos Santos ter recuado e decidido manter-se no BPI. Os espanhóis querem a totalidade do banco mas apenas se houver a chamada desblindagem dos estatutos, ou seja passarem a ter carta branca para tomar todas as decisões, incluindo a de eliminar a presença angolana.

  • Pedrógão e o Governo das culpas dos outros

    Opinião

    Depois das revelações do ‘Expresso’ e do ‘i’, o primeiro-ministro e os ministros saíram à rua com uma estratégia muito bem definida: desmentir a existência de listas secretas e centrar as atenções no Ministério Público. Ao mesmo tempo, nas redes sociais, está em curso (mais) uma campanha contra os jornalistas. Os anónimos, com cartão de militante, que escrevem nessas páginas acusam os jornais das “mais rebuscadas teorias da conspiração”. Nada de novo portanto.

    Bernardo Ferrão

  • "A verdadeira questão são as imagens com que abrimos o Jornal, é um país que está a arder"
    2:52

    Opinião

    A polémica em torno do número de vítimas da tragédia de Pedrógão Grande esteve em análise no Jornal da Noite. Miguel Sousa Tavares diz não compreender "que se faça disto uma questão política" e reitera que o foco deve centrar-se nas imagens de "um país que está a arder". O comentador SIC afirma ainda que "64 mortos num incêndio é um escândalo, um número absurdo".

    Miguel Sousa Tavares

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • Quase mil bombeiros combatem chamas na Sertã
    1:37

    País

    O incêndio que deflagrou no domingo, na Sertã, concelho de Castelo Branco, ainda não foi extinto. Perto de mil homens combatem as chamas no terreno, apoiados por 10 meios aéreos. O fogo tem frentes em Mação e Proença-a-Nova.

  • Proteção Civil acusada de gestão errática no incêndio de Mação
    1:26

    País

    O comandante dos Bombeiros de Constância e o vice-Presidente da Liga dos Bombeiros acusam a Proteção Civil de desviar meios do fogo de Mação, em Santarém, que eram essenciais para travar o incêndio. As chamas desceram da Sertã e acabaram por queimar uma casa de habitação.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.