sicnot

Perfil

Economia

António Costa garante que não vai haver aumento de impostos

António Costa garante que não vai haver aumento de impostos

António Costa garante que não vai haver aumento de impostos e nem alterações fiscais previstas no Programa de Estabilidade. Esta noite, à saída de uma reunião com o grupo parlamentar do PS, o primeiro-ministro antecipou o que vai ser aprovado esta quinta-feira em Conselho de Ministros, afastando medidas "surpresa".

Estas posições foram assumidas por António Costa no final de uma reunião de hora e meia com a bancada socialista na Assembleia da República, antes da aprovação na quinta-feira, em Conselho de Ministros, dos programas Nacionais de Reformas e de Estabilidade - documentos que serão discutidos no parlamento no dia 27 e que terão de ser entregues em Bruxelas até ao final do mês.

O líder do PS e primeiro-ministro recusou a existência de medidas para aumentar impostos e disse mesmo que a descida do IVA da restauração de 23 para 13 por cento, em julho próximo, "não está em cima da mesa", porque "já está mesmo publicada em Diário da República".

"A descida do IVA da restauração está no Orçamento do Estado para 2016, foi aprovada pela Assembleia da República, foi promulgada pelo Presidente da República e está publicada em Diário da República", acentuou, referindo a força de lei que já tem esta medida.

Depois, logo a seguir, António Costa negou rumores de que o Governo se preparava agora, a partir do segundo semestre, para aumentar impostos.

"Anúncios dizendo que se vai aumentar o IVA para 25 por cento, isso não vai acontecer. Não vai haver nenhum aumento do IVA, nem para 24, nem para 25 por cento, nem para os bens essenciais, nem para os bens não essenciais", declarou.

De acordo com o primeiro-ministro, no âmbito do Programa de Estabilidade, "também não haverá alterações ao IRS, para além daquilo que está previsto, que é prosseguir com a eliminação da sobretaxa em 2017".

"Em matéria de IRC, o que está previsto é um conjunto de incentivos a desenvolver nos programas de capitalização e 'startup Portugal'. Portanto, a surpresa é a ausência de surpresas", disse, numa alusão à matéria fiscal constante no Programa de Estabilidade.

Interrogado sobre os dados da execução orçamental deste ano, o líder socialista referiu que na próxima semana haverá já dados definitivos pela Direção-Geral do Orçamento referentes ao primeiro trimestre.

"Os dados conhecidos até agora revelam tranquilidade face aos resultados conhecidos, quer do lado da despesa, quer do lado da receita. Portanto, não fazem prever a necessidade de adoção de medidas adicionais", disse.

Na reunião da bancada socialista, além das intervenções de António Costa, do ministro do Planeamento, Pedro Marques, e do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade, apenas se inscreveu para falar o deputado Paulo Trigo Pereira.

No final, após uma curta hora e meia de reunião com os deputados socialistas, António Costa deixou um comentário de satisfação sobre a forma como tinham sido recebidos os programas de Estabilidade e Nacional de Reformas.

"Isto correu bem com o PCP e com o Bloco de Esquerda, pensava que aqui [no PS] ia correr pior", afirmou, em jeito de brincadeira.

Com Lusa

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.