sicnot

Perfil

Economia

Eurogrupo só vai discutir situação orçamental portuguesa em "maio/junho"

A situação orçamental de Portugal só será discutida nas reuniões de ministros das Finanças da zona euro em "maio/junho", na sequência da publicação de indicadores e programas nacionais, segundo um alto responsável do Eurogrupo.

Presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem (Reuters)

Presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem (Reuters)

© Yves Herman / Reuters

Aos jornalistas, a mesma fonte notou que na quinta-feira, o gabinete oficial de estatísticas da União Europeia (Eurostat) publicará os dados orçamentais finais e validados para 2015 e que até ao final de abril devem ainda chegar a Bruxelas os programas de estabilidade e os programas nacionais de reformas.

Assim, as questões acerca de Portugal "serão tratadas mais tarde" e não na reunião informal de ministros, que decorrerá entre sexta-feira e sábado, em Amesterdão, acrescentou a mesma fonte.

Portugal deverá assim estar na agenda das reuniões de 17 de maio ou de 16 de junho.

Questionado sobre se a banca nacional será analisada neste encontro de abril, o mesmo responsável referiu que a situação está, numa fase, que deve ser tratada pela supervisão e autoridades portuguesas.

Lusa

  • "O PSD não é o bombeiro de serviço desta geringonça"
    1:09

    TSU

    O líder da bancada social-democrata avisa os partidos da esquerda para que tenham o caso da TSU como exemplo e não voltem a usar o PSD como muleta em situações em que não estejam de acordo com o Governo, como pode vir a acontecer com as PPP no setor da saúde. Luís Montenegro foi entrevistado esta manhã na SIC Notícias.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.