sicnot

Perfil

Economia

Governo diz que só aprovou desblindagem da banca depois de saber que não havia acordo

Governo diz que só aprovou desblindagem da banca depois de saber que não havia acordo

O Governo garante que só aprovou o diploma que permite a desblindagem na banca depois de se saber que não havia acordo entre o CaixaBank e Isabel dos Santos. Rejeita, assim, a acusação de Isabel dos Santos de ter beneficiado os espanhóis. A empresária acusou o governo de beneficiar o Caixabank mas o Governo diz que o decreto-de-lei já estava a ser preparado há muito tempo.

  • Caixabank avança com OPA ao BPI

    Economia

    Nas próximas horas, o CaixaBank vai lançar uma oferta pública de aquisição sobre a totalidade do capital do BPI. A informação é avançada por vários jornais. A OPA surge na sequência da ruptura do acordo com a Santoro de Isabel dos Santos, que possui 21% do banco português. Sabe-se também que o Governo enviou para o Presidente da República uma alteração à lei da desblindagem.

  • BPI pode estar à beira de ser vendido ao Caixabank
    1:57

    Economia

    O BPI pode estar à beira de ser vendido aos espanhóis do Caixabank para forçar a saída do capital angolano, como exigem as autoridades europeias. Esta decisão extrema está a ser estudada depois da empresária Isabel dos Santos ter recuado, este fim de semana, e decidido manter-se BPI. Os espanhóis respondem com esta ofensiva para comprar a totalidade do banco, mas apenas se houver a chamada desblindagem dos estatutos.Ou seja, passarem a ter carta branca para tomar todas as decisões, incluindo a de eliminar a presença angolana.

  • Presidente da República promulga desblindagem dos estatutos na banca
    2:35

    Economia

    O Presidente da República já promulgou o decreto-lei que vai permitir a desblindagem dos estatutos na banca mas António Costa garante que a nova legislação não foi feita para o caso BPI e até estava a ser preparada há várias semanas. Os acionistas passam a votar de acordo com a percentagem de ações. Esta norma, aprovada pelo Governo, deve entrar em vigor a 1 de julho.

  • Caixabank quer totalidade do BPI se houver desblindagem dos estatutos
    2:26

    Economia

    Os espanhóis do Caixabank querem comprar o BPI para forçar a saída do capital angolano, como exigem as autoridades europeias. A Comissão de Mercado de Valores Mobiliários já autorizou a operação. O CaixaBank lançou uma Oferta Pública de Aquisição, depois de Isabel dos Santos ter recuado e decidido manter-se no BPI. Os espanhóis querem a totalidade do banco mas apenas se houver a chamada desblindagem dos estatutos, ou seja passarem a ter carta branca para tomar todas as decisões, incluindo a de eliminar a presença angolana.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.