sicnot

Perfil

Economia

Governo prevê 6,7 mil M€ de investimento no Programa Nacional de Reformas até 2020

O ministro do Planeamento, Pedro Marques, afirmou hoje que o Programa Nacional de Reformas vai absorver 25 mil milhões de euros até 2020, sendo cerca de metade em fundos comunitários e 6,7 mil milhões de comparticipação nacional.

Ministro do Planeamento, Pedro Marques.

Ministro do Planeamento, Pedro Marques.

TIAGO PETINGA/ LUSA

Estes dados foram avançados por Pedro Marques, numa conferência de imprensa conjunta com o ministro das Finanças, Mário Centeno, após o executivo ter aprovado em Conselho de Ministros os programas de Estabilidade e Nacional de Reformas.

Interrogado sobre a capacidade de Portugal investir 6,7 mil milhões de euros nos próximos anos, Pedro Marques alegou que o investimento anual pouco ultrapassará os mil milhões de euros por ano e que essas verbas serão provenientes de todos os ministérios, representando "escolhas de políticas públicas".

Lusa

  • Plano de estabilidade sem aumento de impostos
    2:45

    Economia

    O primeiro-ministro garante que não vai aumentar os impostos. António Costa diz mesmo que essa medida não está prevista no Plano de Estabilidade, aprovado hoje pelo Governo. Trata-se do documento exigido por Bruxelas com os objectivos do executivo e as medidas para os atingir.

  • Principais medidas do Plano Nacional de Reformas
    2:31

    Economia

    A par do Plano de Estabilidade, o Plano Nacional de Reformas é um dos dois documentos que define o rumo do país nos próximos anos, com as grandes opções estratégicas como, por exemplo, a forma de aplicar o dinheiro que vem da Europa. Foi aprovado hoje pelo Governo e prevê alterações profundas durante os próximos anos. A prioridade é aumentar o salário mínimo nacional, ajudar os desempregados e canalizar mais dinheiro para a educação e a saúde.

  • Governo quer reduzir gastos com papel na função pública
    1:08

    Economia

    O Governo proibiu a livre utilização das impressoras pelos funcionários públicos. O ministro das Finanças quer assim reduzir em 20% a despesa em consumo de papel e, ao mesmo tempo, minimizar a perigosidades dos resíduos produzidos com as impressoras, no Estado.