sicnot

Perfil

Economia

Governo vai rever regime do trabalhador independente

O Governo estima que a revisão regime do trabalhador independente tenha um efeito neutro do ponto de vista orçamental, segundo o Programa Nacional de Reformas (PNR), hoje aprovado em Conselho de Ministros.

O Governo pretende rever o regime do trabalhador independente, com o objetivo de reforçar a cobertura da proteção no desemprego e reforçar a proteção social dos trabalhadores independentes e combater a precariedade, segundo o Plano Nacional de Reformas 2016-2020 aprovado hoje.

Em causa está a realização de uma revisão ao modelo vigente do regime de trabalho independente que permita "avaliar a proteção no desemprego para tecnologias de informação detetando eventuais ineficiências; reavaliar o regime de entidades contratantes; rever as regras para determinação do montante de contribuições dos trabalhadores de recibos verdes, para que estas contribuições passem a incidir sobre o rendimento efetivamente auferido, tendo como referencial os meses mais recentes de remuneração; evitar o uso excessivo dos contratos a prazo, os falsos recibos verdes e outras formas atípicas de trabalho, reforçando a regulação e alterando as regras do seu regime de Segurança Social", lê-se no documento.

Esta revisão terá um "efeito neutro do ponto de vista orçamental".

O documento inclui também a medida extraordinária, em vigor desde 31 de março, de apoio a 70.000 desempregados de longa duração até 2020, com um apoio pecuniário correspondente a 80% do montante do subsídio social de desemprego cessado, "atribuído durante um período máximo de seis meses a desempregados inscritos que tenham cessado o período de concessão do subsídio social de desemprego inicial ou subsequente há um ano".

Em relação ao salário mínimo nacional, o documento só refere a subida do salário mínimo já efetuado no início deste ano, de 505 para 530 euros brutos por mês.

Lusa

  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Cabecilha da seita Verdade Celestial é "mentiroso, egocêntrico e psicótico"
    2:22

    País

    O cabecilha da seita "Verdade Celestial" foi condenado a 23 anos de pena de prisão por abusos sexuais de crianças e adolescentes. O juiz diz que o cabecilha do grupo era mentiroso patológico, egocêntrico, impulsivo e com personalidade psicótica. Dos oito acusados, duas mulheres foram absolvidas e seis arguidos foram condenados a penas efetivas. A rede de abusadores foi desmantelada há dois anos, numa quinta de Palmela.

  • Mau tempo obriga ao cancelamento de centenas de voos na Europa
    1:21
  • Antigos quadros da Facebook declaram-se preocupados com efeitos da rede social

    Mundo

    Alguns dos antigos quadros da empresa Facebook estão a começar a exprimir sérias dúvidas sobre a rede social que ajudaram a criar, foi noticiado. A Facebook explora "uma vulnerabilidade na psicologia humana" para criar dependência entre os seus utilizadores, afirmou o primeiro presidente da empresa, Sean Parker, num fórum público.