sicnot

Perfil

Economia

Suspensa investigação da Autoridade da Concorrência à banca

A Autoridade da Concorrência (AdC) suspendeu temporariamente a investigação ao processo de atuação concertada da banca para dar cumprimento a uma sentença do tribunal da concorrência, informa hoje a entidade em comunicado.

© Dado Ruvic / Reuters

Este processo teve início a 29 de maio do ano passado, quando a AdC adotou uma nota de ilicitude (acusação) contra quinze instituições bancárias por suspeita de prática concertada, na forma de intercâmbio de informações comerciais sensíveis, no que respeita à oferta de produtos de crédito na banca de retalho, designadamente, crédito ao consumo, crédito a empresas e crédito à habitação.

Num comunicado intitulado "Tribunal decide suspensão do 'Processo da Banca' até decisão judicial de recursos pendentes", a ADC explica que esta suspensão decorre de um despacho de 30 de março do Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão (TCRS) que suspendeu aquele "até haver sentença sobre os vários recursos interlocutórios" apresentados na investigação da AdC.

"Para dar cumprimento ao despacho do TCRS, a AdC suspende, assim, a investigação em curso, até que o Tribunal tome uma decisão final", acrescenta no comunicado, dando ainda conta de ter recorrido para o Tribunal da Relação de Lisboa desta decisão do TCRS.

A sentença do tribunal surge no momento em que decorria o prazo para resposta das visadas à acusação da AdC no "Processo da Banca".

Mas só depois de haver decisão do tribunal sobre os vários recursos que estão a ser entregues pelas partes envolvidas neste processo é que a ADC pode retomar as investigações.

O Tribunal já se pronunciou sobre três dos 11 recursos, diz a AdC, explicando que estes recursos dizem respeito a decisões por si tomadas sobre matérias como prorrogações de prazo, acesso ao processo, cópia de documentos ou classificação de confidencialidades.

No comunicado, a AdC reafirma que todas essas decisões foram legais e procuraram compatibilizar os direitos de defesa das empresas visadas com os segredos de negócio em causa e a necessidade de investigação e normal andamento do processo.

"Destes, o TCRS já se pronunciou em três, confirmando a legalidade da atuação da AdC", afirma, esclarecendo no entanto que, nestes casos, as visadas já recorreram da decisão para o Tribunal da Relação de Lisboa, que também confirmou a posição da AdC.

Neste momento, encontram-se ainda pendentes no TCRS, oito daqueles recursos interlocutórios.

O processo de contraordenação aberto pela AdC -, o chamado 'cartel da banca', em que é investigada uma alegada prática concertada de troca de informações restritiva da concorrência na banca em Portugal - originou diligências de busca nas instalações de diversas instituições bancárias em março de 2013.

Lusa

  • O papel da religião no quotidiano
    24:57
  • Jane Goodall iniciou palestra com sons semelhantes aos dos chimpanzés
    2:18

    País

    A investigadora Jane Goodall esteve esta quinta-feira em Lisboa para participar numa conferência da National Geographic. A primatóloga começou o seu discurso com sons semelhantes aos dos chimpanzés. Numa entrevista à SIC, Goodall falou sobre os chimpanzés e sobre o trabalho que continua a desenvolver em todo o mundo, em prol do ambiente, dos animais e das pessoas. 

  • NATO vai aumentar luta contra o terrorismo

    Mundo

    O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que os aliados da NATO concordaram esta quinta-feira em aumentar a luta contra o terrorismo e em "investir mais e melhor" na Aliança.

  • Trump empurra líder do Montenegro para ficar à frente na fotografia

    Mundo

    A reunião de líderes dos Estados-membros da NATO, que decorreu esta quinta-feira em Bruxelas, na Bélgica, ficou marcada por um momento insólito em que o Presidente norte-americano não quis abdicar de ficar no melhor plano possível nas fotografias de grupo. Nem que para isso tenha sido necessário empurar o líder de outro país.

  • O humor de John Kerry nas críticas a Trump
    0:40

    Mundo

    John Kerry criticou as ligações de Donald Trump com a Rússia durante um discurso de abertura, na Universidade de Harvard. O ex-secretário de Estado norte-americano disse, em tom de brincadeira, que se os jovens querem vingar na política, devem primeiro aprender a falar russo.