sicnot

Perfil

Economia

Marcelo diz que Alqueva tem perspetivas futuras "excecionais"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou esta sexta-feira que as perspetivas de futuro do Alqueva são "excecionais", mas lamentou que o processo de construção da barragem alentejana tenha sido "tão lento".

NUNO VEIGA

"É uma alteração radical do Alentejo" e, "aliás, quando olhamos para trás, o que há a lamentar é ter sido tão lento o processo. Começa a ser concebido no começo dos anos 70, depois tem uma interrupção, acelera rapidamente nos últimos 20 anos, mas de facto, as perspetivas, agora, de futuro, são excecionais", afirmou.

A opinião do chefe de Estado foi transmitida no decorrer de uma conversa com o presidente da empresa gestora do Alqueva, José Pedro Salema, numa paragem da comitiva presidencial no paredão da barragem, entre Portel (distrito de Évora) e Moura (distrito de Beja).

Ao questionar o presidente da Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA) sobre se não há um interesse crescente de investidores no Alqueva, numa altura em que está "passada a crise", Marcelo mostrou-se agradado com a resposta afirmativa.

"Temos visitas todas as semanas de grupos de investidores estrangeiros à procura de terras", respondeu José Pedro Salema, exemplificando que os interessados chegam de destinos tão longínquos, como a China ou os EUA.

Observando a barragem e a paisagem, Marcelo disse que "há ainda muita terra disponível" na zona do Alqueva e que ele próprio conhece investidores interessados.

José Pedro Salema informou ainda que, segundo um estudo recente, o projeto de Alqueva, em velocidade de cruzeiro, "vale 500 milhões de euros por ano" e convidou o Presidente da República a "visitar demoradamente" um dia o empreendimento, ao que Marcelo acedeu.

Após 21 anos de obras e 14 desde o início do enchimento da albufeira, no projeto Alqueva, considerado estruturante para o Alentejo, já foram investidos 2.350 milhões de euros do investimento total previsto de cerca de 2.500 milhões de euros, distribuído pelas valências agrícola, hidroelétrica e de abastecimento público.

Na atual campanha de rega, o Alqueva chegará aos 120 mil hectares de regadio, o total previsto no sistema global de rega do projeto.

Em estudo está a possibilidade de aumentar a área de regadio em cerca de 45 mil hectares e estão a ser desenvolvidos os projetos de execução e os estudos de impacte ambiental de algumas áreas limítrofes.

Segundo a empresa do Alqueva, a "reserva estratégica de água" criada pelo projeto é "capaz de suprir todas as necessidades de água" da área de 120 mil hectares servida pelo regadio e de abastecimento público de 13 concelhos "durante quatro anos consecutivos de seca extrema e sem restrições".

A albufeira de Alqueva, localizada no "coração" do Alentejo, no rio Guadiana, começou a encher a 8 de fevereiro de 2002 e já atingiu duas vezes o nível pleno de armazenamento.

A conclusão do projeto, inicialmente prevista para 2025, foi antecipada para a atual campanha de rega.

Lusa

  • Governo quer aumentar fiscalização a baixas fraudulentas
    1:10

    País

    O Governo quer criar uma bolsa de médicos para fiscalizar quem recebe o subsídio por doença. A intenção foi manifestada à TSF pela secretária de Estado da Segurança Social. Em 2016 foram detetados mais de 56 mil trabalhadores com baixa médica que afinal estavam aptos para trabalhar.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.