sicnot

Perfil

Economia

Presidente da República desvaloriza críticas ao Programa de Estabilidade

Presidente da República desvaloriza críticas ao Programa de Estabilidade

O Presidente da República desvaloriza as críticas do Conselho de Finanças Públicas ao Programa de Estabilidade e, afirma que a palavra decisiva e que verdadeiramente importa é a da Comissão Europeia.

Questionado se considera credíveis os números apresentados pelo Governo, o Presidente da República recusou entrar "na discussão de números" e disse que aguardará pela avaliação da Comissão Europeia.

"Nos últimos tempos temos assistido a que ora se entendia que o défice para que se apontava era ainda muito elevado ou baixo demais, ora o crescimento era muito baixo ora alto demais", referiu.

"Portanto, vamos esperar para ver o que é que a Comissão Europeia diz", reiterou.

O Conselho de Finanças Públicas alertou na quinta-feira para uma possível revisão das metas orçamentais inscritas no Programa de Estabilidade 2016-2020, considerando que porque as previsões macroeconómicas podem não se concretizar.

Num parecer desta entidade liderada por Teodora Cardoso, é referido que "o conjunto de previsões para o período apresenta um risco de não realização", o que pode "implicar a revisão dos resultados esperados para os objetivos orçamentais".

Com Lusa

  • Marcelo no Alentejo em iniciativa "Portugal Próximo"
    0:37

    País

    O Presidente da República está no Alentejo, na iniciativa "Portugal Próximo". Até sábado, Marcelo Rebelo de Sousa, vai passar por nove concelhos dos três distritos alentejanos, num percurso de cerca de 400 quilómetros. A habitual reunião semanal entre o presidente e o primeiro-ministro só vai decorrer amanhã, em Évora. O chefe de Estado escolheu Fronteira, no distrito de Portalegre, para assinalar o arranque da primeira presidência aberta. Marcelo Rebelo de Sousa deixou uma mensagem de proximidade e de otimismo.

  • Principais medidas do Plano Nacional de Reformas
    2:31

    Economia

    A par do Plano de Estabilidade, o Plano Nacional de Reformas é um dos dois documentos que define o rumo do país nos próximos anos, com as grandes opções estratégicas como, por exemplo, a forma de aplicar o dinheiro que vem da Europa. Foi aprovado hoje pelo Governo e prevê alterações profundas durante os próximos anos. A prioridade é aumentar o salário mínimo nacional, ajudar os desempregados e canalizar mais dinheiro para a educação e a saúde.

  • Plano de estabilidade sem aumento de impostos
    2:45

    Economia

    O primeiro-ministro garante que não vai aumentar os impostos. António Costa diz mesmo que essa medida não está prevista no Plano de Estabilidade, aprovado hoje pelo Governo. Trata-se do documento exigido por Bruxelas com os objectivos do executivo e as medidas para os atingir.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.