sicnot

Perfil

Economia

BP perde 517 milhões de euros devido à volatilidade do preço do petróleo

A petrolífera BP informou hoje que registou perdas de 517 milhões de euros (583 milhões de dólares) no primeiro trimestre do ano devido à volatilidade do preço do crude.

© Whitney Curtis / Reuters

Em comunicado enviado hoje à Bolsa de Valores de Londres, a BP assinalou que as perdas contrastam com os 2.307 milhões de euros (2.602 milhões de dólares) obtidos no primeiro trimestre de 2015, quando o preço do barril do petróleo rondava os 54 dólares.

De acordo com a imprensa, o crude cotizou no primeiro trimestre deste ano em torno dos 34 dólares o barril, o que compara com os 44 dólares dos três últimos meses de 2015.

A companhia, que publica os seus resultados em dólares por ser a divisa na qual é cotizado o petróleo, assinalou que no primeiro trimestre de 2016 as perdas antes de impostos foram de 767 milhões de euros (865 milhões de dólares) frente aos 2.020 milhões de euros (2.276 milhões de dólares) de lucros obtidos nos três primeiros meses de 2015.

Os lucros da BP também foram afetados pela crise no setor petrolífero ao faturar 34.771 milhões de euros (39.166 milhões de dólares) no primeiro trimestre de 2016 frente aos 49.932 milhões de euros (56.243 milhões de dólares) no mesmo período do ano passado.

A dívida financeira da empresa a 31 de março passado situava-se nos 3.941 milhões de euros (4.440 milhões de dólares).

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.