sicnot

Perfil

Economia

Défice das contas do Estado no 1º trimestre sobe para 824 milhões

ÚLTIMA HORA

O défice das contas do Estado no primeiro trimestre foi de 823,9 milhões de euros, segundo a execução orçamental hoje revelada. O Estado arrecadou 8.815,9 milhões de euros em impostos, menos 115,1 milhões de euros do que no mesmo período de 2015.

(Reuters/Arquivo)

(Reuters/Arquivo)

O défice público até março agravou-se em 107,9 milhões de euros por causa dos juros da dívida.

"Esta evolução resultou de um crescimento da receita (0,2%) inferior ao da despesa (0,8%)", que atingiram 17.540,7 milhões de euros e 18.364,6 milhões de euros, respetivamente, afirma a Direção-Geral de Orçamento (DGO)a.

As despesas com pessoal aumentam 3,3% no primeiro trimestre.

De acordo com a síntese de execução orçamental até março divulgada hoje pela DGO, a receita fiscal arrecadada pelo Estado no primeiro trimestre foi inferior em 1,3% à registada no mesmo período de 2015, quando foram amealhados 8.931 milhões de euros em impostos.

Esta descida, escreve a entidade liderada por Manuela Proença, foi influenciada por uma quebra de 0,7% nos impostos diretos, "sobretudo pelo efeito da redução da sobretaxa de IRS", e de 1,7% nos impostos indiretos, "condicionados pelo aumento nos reembolsos de IVA".

Última atualização às 17:31/Com Lusa

  • Polémica "Supernanny" em debate hoje na SIC
    2:25
  • Centeno aponta para a reforma e expansão do euro
    0:32

    Economia

    O ministro das Finanças português participa hoje na primeira reunião enquanto presidente do Eurogrupo. À entrada para o encontro dos ministros das Finanças da moeda única, Mário Centeno apontou a reforma do Euro como um dos principais desafios do mandato que agora inicia. 

  • Puigdemont chegou à Dinamarca e não foi detido

    Mundo

    O Ministério Público espanhol pediu ao tribunal supremo para voltar a emitir um mandado europeu de detenção contra o ex-presidente da Catalunha, Carles Puigdemont, que se deslocou à Dinamarca para participar numa conferência. O Supremo rejeitou no entanto o pedido. Entretanto na Catalunha, o presidente do parlamento propôs Puigdemont para voltar a dirigir o Governo Regional.

  • O caso Assange é "um problema" para o Equador

    Mundo

    O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, declarou no domingo que o asilo atribuído ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pela embaixada do Equador em Londres desde 2012 é "um problema herdado" que constitui "mais que um aborrecimento".