sicnot

Perfil

Economia

Moody's considera "improvável" que tribunais declarem ilegalidade da resolução do BES

A agência de notação financeira Moody's considera "improvável" que a resolução do BES seja declarada ilegal pelos tribunais, tal como pretendem alguns investidores, pelo que não deve afetar os detentores de obrigações hipotecárias.

(Reuters/Arquivo)

Num comentário sobre o impacto das decisões judiciais relativas ao Banco Espírito Santo (BES) para os detentores de obrigações hipotecárias do Novo Banco, a Moody's entende, com base na informação disponível e nas opiniões dos especialistas, que é "improvável" que a resolução do BES venha a ser declarada ilegal e mesmo que isso aconteça não deverá afetar os direitos dos detentores de obrigações hipotecárias.

O Banco de Portugal aplicou em agosto uma medida de resolução ao Banco Espírito Santo (BES) que implicou a transferência da maioria dos seus ativos e passivos para um "banco mau", uma decisão que está a ser contestada em tribunal por um grupo de investidores.

Estes credores reclamam que a resolução seja declarada ilegal e o regresso dos ativos ao BES, o que implicaria, segundo a análise da Moody's, que os detentores das obrigações hipotecárias (títulos garantidos por hipotecas) perdessem prioridade no que diz respeito aos pagamentos.

Segundo a agência de notação financeira, os argumentos que os investidores irão possivelmente usar -- a medida de resolução viola direitos constitucionais ou a medida de resolução não cumpriu o previsto na lei -- não serão acolhidos pelos tribunais, caso seja invocado o interesse público e sejam dadas compensações.

"Mesmo se o tribunal considerar que a medida de resolução foi ilegal, é provável que seja atribuída uma compensação aos queixosos em alternativa à anulação", refere a Moody's.

Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".