sicnot

Perfil

Economia

Taxistas distribuem milhares de manifestos contra Uber

A Federação Portuguesa do Táxi (FPT) informou hoje que já distribuiu mais de dez mil manifestos desde sexta-feira, no âmbito da semana de luta contra o que considera ser a "ilegalidade" da atividade da Uber em Portugal.

PEDRO NUNES

"Estou convicto de que já entregámos mais de dez mil panfletos", disse à agência Lusa Eduardo Cacais, da FPT.

Numa ação conjunta com a Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL), um manifesto e autocolantes estão a ser distribuídos pelas ruas de Lisboa, Porto e Faro.

"A aceitação tem sido ampla", disse à agência Lusa Eduardo Cacais, que anda nas principais praças de táxi de Lisboa a "alertar motoristas e população em geral" para este "problema".

"Estamos a distribuir um manifesto pela população e pelos colegas para que, à medida que vão apanhando clientes, possam também passar a mensagem", acrescentou.

No manifesto, a ANTRAL e FPT defendem que a Uber é ilegal porque "não respeita, não obedece, nem se submete às regras legais que em Portugal disciplinam a atividade do transporte em táxi".

As associações referem, ainda, que aquela plataforma (disponível através de uma aplicação 'online') cobra o que entende e aumenta os preços em épocas de maior procura, lê-se no manifesto.

As viaturas ao serviço da Uber "não estão equipadas, identificadas, nem licenciadas [...] ou autorizadas para a atividade que executam", acusam ainda, acrescentando que os condutores não têm certificado profissional para o exercício da atividade.

Além do manifesto, estão a ser também colados nos vidros dos táxis autocolantes com palavras de ordem como "A Uber é Ilegal" ou "Stop à Uber".

Em declarações à Lusa, o presidente da ANTRAL, Florêncio Almeida, disse que tem cinco carros na rua só para alertar a população para a questão da Uber e acrescentou que "a ação está a correr bem".

A semana de luta vai culminar com uma grande ação que decorrerá na sexta-feira, mas que a FPT e a ANTRAL não querem divulgar antecipadamente

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.