sicnot

Perfil

Economia

Acionistas do BPI chumbam continuidade de Ulrich

Os acionistas do BPI chumbaram hoje as alterações dos estatutos que permitiriam a recondução de Fernando Ulrich na presidência executiva e possibilitariam ao Conselho de Administração decidir aumentos de capital por entradas em dinheiro até 500 milhões de euros

ANT\303\223NIO COTRIM

Em conferência de imprensa no final da assembleia-geral anual de acionistas, que decorreu esta manhã no Porto, o presidente do banco, Artur Santos Silva, adiantou que a proposta de alteração de estatutos que visava alterar a regra que proíbe a escolha para a Comissão Executiva dos membros do Conselho de Administração que, à altura da nomeação, tenham idade igual ou superior a 62 anos, foi chumbada por não ter sido atingida a maioria qualificada legal de 66,67% dos votos expressos (votaram a favor 63,68% dos votos expressos, tendo os angolanos da Santoro Finance votado contra).

Esta regra impede, assim, a manutenção de Fernando Ulrich como presidente executivo após o final do atual mandato, que termina em 2017, já que o presidente executivo completou 64 anos no passado dia 26 de abril.

"Os acionistas são livres e soberanos nas suas decisões. A proposta não é dirigida especialmente a mim. É uma norma geral e abstrata. De maneira nenhuma vi essa norma como dirigida especialmente a mim. Temos um mandato em curso. Falta cumprir um terço do mandato", afirmou Fernando Ulrich, em declarações aos jornalistas.

Já Artur Santos Silva destacou que, sem a atual "blindagem dos estatutos", a proposta "teria sido largamente aprovada".

"Isto só confirma que a blindagem é contrária aos interesses da instituição e só confirma o desacerto de ela ter sido consagrada. Não o foi com o apoio então da equipa executiva. A comissão de governo do banco já tinha, há muito, recomendado que esta regra fosse eliminada", frisou.

Para o presidente do BPI, as atuais circunstâncias do país e do sistema financeiro levam a que seja "extremamente importante" ter uma "equipa de grande qualidade, estável e capaz de mobilizar todas as estruturas do banco para os desafios" que tem pela frente.

"Os resultados de ter uma equipa estável estão bem à vista. O ano que concluímos, 2015, foi extraordinário de afirmação do BPI, foi um ano de boa memória porque, praticamente, regressamos aos números mais importantes do passado e a valores de risco que também se aproximam dos melhores patamares que o banco já registou", disse.

Santos Silva recordou ter sido o autor da proposta feita em 1998 para que os estatutos consagrassem um limite de idade, mas considerou hoje a medida "completamente deslocada", por colocar em causa a estabilidade da equipa.

"Temos a equipa mais estável do sistema financeiro e com vantagens inegáveis à vista de todos", frisou.

Os acionistas do BPI foram ainda chamados a deliberar sobre uma alteração de estatutos que permitiria ao Conselho de Administração decidir aumentos de capital por entradas em dinheiro até 500 milhões de euros.

A proposta foi chumbada por não ter sido atingida a maioria qualificada legal de 66,67% dos votos expressos (votaram a favor 63,62% dos votos expressos).

Aprovadas por unanimidade foram as contas de 2015, ano em que o banco teve lucros consolidados de 236,4 milhões de euros, bem como a proposta do Conselho de Administração para que esse valor seja totalmente aplicado em reservas do banco.

Também aprovada, por 93,03% dos votos expressos, foi a clarificação de que "a remuneração variável a auferir pelos membros da Comissão Executiva será determinada em função do valor dos lucros consolidados do exercício, não correspondendo assim a qualquer participação nos lucros consolidados do exercício".

A mesma percentagem de votos expressos aprovou a modificação de um artigo de acordo com o qual, "salvo quando as circunstâncias justifiquem uma antecedência menor, a antecedência mínima para convocar as reuniões do Conselho de Administração será de cinco dias".

Além disso, a assembleia-geral "ratificou, por unanimidade dos votos expressos, a cooptação do vogal Tomás Jervell para preenchimento de uma vaga ocorrida no Conselho de Administração.

Foi igualmente aprovada, por 99,86% dos votos expressos, a "Política de Remuneração do Banco BPI aplicável aos membros do Conselho de Administração e do Conselho Fiscal".

Lusa

  • Presidente do BPI relembra que 2015 foi um ano exigente
    0:27

    Economia

    O BPI teve um lucro de 236 milhões de euros em 2015. Em 2014, o banco tinha registado prejuízos de mais de 160 milhões de euros. O banco voltou aos lucros graças à forte recuperação da atividade doméstica, que, em 2014, registava prejuízos de 289 milhões e, um ano depois, um lucro de 93 milhões. O banco conseguiu 24 mil novos clientes no ano passado, apesar de ter fechado 51 balcões. Na apresentação dos resultados finais, Fernando Ulrich falou num ano de desafios para o banco e lembrou que o BPI tentou comprar o Novo Banco, mas não foi o escolhido. Ulrich recordou também o impacto que a resolução do BES e do Banif tiveram no setor bancário.

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • Portugueses usam Facebook para marcar protestos contra incêndios

    País

    Os incêndios que têm acontecido este ano estão a causar revolta entre a população. Por essa razão, estão marcadas, através da rede social Facebook, várias manifestações para os próximos dias um pouco por todo o país. Os portugueses exigem a melhoria do sistema, para que as tragédias deste ano não se voltem a repetir.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06
  • "Quem está no Governo tem sérias responsabilidades"
    1:07

    Opinião

    Pacheco Pereira aponta falhas do Estado, dos bombeiros e da Proteção Civil como causa dos incêndios que assolaram o país no passado domingo. O comentador da SIC considera que o Governo tem responsabilidade perante o que aconteceu.

  • Presidente das Indústrias de Madeira diz que fogos estão a afetar o setor
    0:39

    País

    A Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário desvaloriza que os industriais do setor possam comprar madeira mais barata, em resultado dos incêndios florestais. Em entrevista na SIC Notícias, o presidente da associação, Vítor Poças, considera que os fogos estão a prejudicar gravemente a indústria.