sicnot

Perfil

Economia

Barclays anuncia acordo para venda do negócio Barclaycard em Portugal e Espanha

O Barclays Bank anunciou hoje que celebrou um acordo para a venda do seu negócio Barclaycard em Portugal e Espanha ao Bancopopular-e, banco espanhol detido pela Varde Partners (51%) e pelo Banco Popular Español (49%).

O comunicado do Barclays lembra que o negócio Barclaycard tornou-se desde março de 2016 parte do portfolio Barclays 'non-core' (não estratégico), uma vez que não está alinhado com a estratégia do Barclays em focar-se nos negócios de escala em territórios-chave futuros.

O negócio detém aproximadamente 1.000 milhões de libras esterlinas (cerca de 1.286 milhões de euros) em ativos, estando a ser vendido por um pequeno prémio sobre o seu valor contabilístico, resultando a venda numa redução de custos do portfolio Barclays 'non-core'.

O banco estima que a transação reduza os ativos ponderados pelo risco em aproximadamente 900 milhões de libras esterlinas (cerca de 1.157 milhões de euros) e explica que os clientes e colaboradores serão transferidos para o Bancopopular-e.

"Com a aprovação da venda deste negócio, torna-se ainda mais tangível o progresso do nosso objetivo, na gestão para diminuir os ativos de Risco no Barclays Non-Core em cerca de 20 mil milhões de libras esterlinas (cerca de 25,6 mil milhões de euros) até o final de 2017", diz o presidente executivo do Barclays, Jes Staley, citado no comunicado.

Por sua vez, o comunicado do Bancopopular-e frisa que "a compra ao Barclays do negócio da Barclaycard em Espanha e Portugal é estratégica", porque o seu modelo de especialização em cartões de crédito é similar ao desenvolvido atualmente pelo Bancopopular-e em Espanha.

Com a compra do novo negócio, diz o banco, acrescentam-se aproximadamente 800.000 clientes à carteira existente de já mais de 2,5 milhões de clientes do Bancopopular-e.

"Estamos muito satisfeitos com o acordo obtido com o Barclays. Esta aquisição permite-nos acelerar o nosso crescimento em Espanha e Portugal, além de nos consolidarmos como especialistas em cartões de crédito", afirma o diretor-geral do Bancopopular-e, Iñaki Perkins, citado no documento.

O comunicado refere ainda que o Barclays e o Bancopopular-e comprometem-se a realizar "uma transferência fluída tanto da carteira de clientes como dos seus empregados".

A venda está sujeita à aprovação dos reguladores e deverá estar concluída até ao final do ano.

De acordo ainda com o comunicado do Barclays, a transação não tem qualquer impacto nos negócios de 'corporate' e 'investment banking' (segmento empresarial e de banca de investimento) em Portugal e Espanha, "que continuam a ser ativos importantes dentro do Grupo Barclays".

"Estou extremamente satisfeito com a rapidez com que continuamos a reduzir a nossa exposição de 'non-core' e custos. A nossa operação de cartões de crédito em Portugal e Espanha é um excelente negócio, com uma equipa altamente talentosa e dedicada, mas que já não se adapta na nossa ambição estratégica. Estou certo de que continuarão a prosperar como parte do negócio do Bancopopular-e", afirma Jes Staley.

O Bancopopular-e é um banco especialista em cartões de crédito cuja prioridade, segundo os mesmo, é apresentar soluções de crédito e poupança aos mais de 2,5 milhões de clientes.

Lusa

  • "Almaraz: Uma bomba-relógio aqui ao lado"
    1:56
  • S. João do Porto sem balões
    2:36

    País

    No Porto, milhares de pessoas foram para a rua festejar o São João. Este ano houve tolerância zero no lançamento de balões, por causa do risco de incêndio. O fogo de artifício começou com mais de 15 minutos de atraso.

  • Mais de 100 detidos pela PSP e GNR nas últimas 24 horas

    País

    Só a GNR deteve 64 pessoas em flagrante delito, entre a noite de sexta-feira e o início da manhã deste sábado, a maioria das quais (47) por condução sob o efeito do álcool. A PSP de Lisboa efetuou 41 detenções em 24 horas, dez por tráfico de droga.

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.