sicnot

Perfil

Economia

CaixaBank diminuiu lucros em 27,2% no 1º trimestre

O banco espanhol Caixabank, maior acionista do BPI, anunciou hoje lucros de 273 milhões de euros no primeiro trimestre do ano, menos 27,2% do que no mesmo período do ano passado.

© Sergio Perez / Reuters

Em comunicado enviado ao regulador dos mercados espanhol, o banco lembra que os resultados no primeiro trimestre de 2015 incluíram os "impactos singulares associados à integração" do negócio do Barclays em Espanha.

No caso da margem financeira, o Caixabank registou uma quebra de 10,4%, para os 1,02 mil milhões de euros, num contexto marcado por juros historicamente baixos.

As comissões líquidas do banco caíram 9,4%, para 465 milhões de euros, enquanto os resultados das operações financeiras duplicaram, alcançando os 291 milhões.

Nos primeiros três meses do ano, o CaixaBank contou com contribuições inferiores das suas participadas (137 milhões de euros no período, ou menos 23,6% do que nos três primeiros meses de 2015).

Ao contrário da margem financeira, a margem bruta teve um comportamento mais estável, baixando 1,6%, para 1,92 mil milhões de euros.

Um dos melhores resultados do CaixaBank é a margem de exploração, que aumenta 35,4%, subindo dos 679 milhões de euros para 919 milhões de euros.

No contexto "de taxas de juro historicamente baixos", o CaixaBank destaca a sua "firme disciplina de custos".

Os gastos de exploração desceram 3,1%, "sem considerar os custos associados à integração do Barclays Bank", que foram de 239 milhões de euros no primeiro trimestre de 2015.

O Caixabank tem 44,10% do BPI e anunciou há semanas a intenção de lançar uma Oferta Pública de Aquisição de ações (OPA) voluntária sobre o banco português, oferecendo 1,113 euros por cada ação.

Lusa

  • Ministro diz que Isabel dos Santos e CaixaBank reataram diálogo
    3:04

    Economia

    Luanda prepara-se para retirar os direitos de voto do BPI no Banco de Fomento Angola (BFA). A notícia surge no mesmo dia em que o Governo garante que foram retomadas as negociações sobre entre Isabel dos Santos e o Caixabank. Em entrevista à TSF, o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, mostra-se confiante numa solução consensual mas sublinha que o Governo está à margem do processo das negociações.

  • Governo rejeita acusações de Isabel dos Santos
    1:53

    Economia

    O governo rejeita as acusações de Isabel dos Santos que diz que o execuitivo beneficiou os espanhóis do CaixaBank no caso BPI. A empresária angolana garante que o executivo aprovou uma lei à medida para favorecer uma das partes.

  • Caso BPI pode reabrir crise nas relações entre Portugal e Angola
    3:04

    Economia

    O fim das negociações entre o CaixaBank e a empresária Isabel dos Santos pode reabrir mais uma crise nas relações entre Portugal e Angola. O secretário-geral da União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa acusa o Estado português de sucessivos erros diplomáticos e de se aproveitar da atual fragilidade da economia angolana. O Presidente da República não comenta o caso.

  • Passos começou a fazer oposição

    Bernardo Ferrão

    É inegável a habilidade política de António Costa mas no caso da TSU e do acordo de Concertação Social só cai quem quer. A verdade dos factos é que o primeiro-ministro fechou um acordo sabendo que não o podia cumprir. E agora tenta desviar-nos o olhar para o PSD, como se fosse ele o culpado, quando o problema está na geringonça. Antes de atacar Passos, Costa devia resolver os problemas em casa com o PCP e BE.

    Bernardo Ferrão

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.