sicnot

Perfil

Economia

Costa diz ao BE que não está sozinho no combate às offshores

A porta-voz do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, pediu hoje ao primeiro-ministro a certeza da determinação do Governo no combate às offshores, com António Costa a garantir que os bloquistas não estão sozinhos nesta matéria.

ANT\303\223NIO COTRIM

Catarina Martins, que falava no parlamento, dirigiu-se durante alguns minutos a António Costa sobre esta matéria, lembrando o "pacote de medidas legislativas" apresentado pelo Bloco de "cerco" às offshores.

"Esta nova maioria parlamentar tem de ser capaz de produzir resultados", vincou a porta-voz bloquista, que interrogou posteriormente o chefe do executivo: "Há vontade do Governo e do PS para que algo mude?".

Na resposta, Costa foi perentório: "Este é um combate no qual o Bloco não está sozinho e no qual o Bloco pode contar com o Governo de Portugal para combatermos as offshores que de facto são uma ameaça para a concorrência e transparência".

Catarina Martins deu o exemplo dos Panama Papers, mas abordou também o caso dos Swiss Leaks - Costa viria a adiantar que o Governo vai aprovar no Conselho de Ministros que ainda hoje se realizará novas alterações legislativas, nomeadamente a nível de troca de informações, para reforçar o combate às offshores.

"Quem põe dinheiro em offshores está sempre a roubar o país. Registo que estão a ser dados passos. Achamos que podemos ir mais longe", disse ainda a porta-voz do Bloco, dirigindo-se ao primeiro-ministro.

O debate quinzenal de hoje foi aberto pelo primeiro-ministro e acontece um dia depois de o parlamento debater os Programas de Estabilidade e Nacional de Reformas.

Os documentos deverão ser aprovados, na sua versão definitiva, hoje em Conselho de Ministros, antes de serem enviados para a Comissão Europeia, em Bruxelas.

Com Lusa

  • "Até para o ano", a mensagem de Ronaldo para os adeptos do Real Madrid
  • Despenalização da eutanásia votada na terça-feira no Parlamento
    2:04
  • Há companhias aéreas a contratar. TAP é uma delas
    1:28

    Economia

    Com o crescimento do turismo, que continua a bater recordes, as companhias aéreas querem profissionais para reforçar as rotas com maior procura e oferecer novos destinos. Só a TAP prevê contratar mais 700 pessoas este ano para várias funções, incluindo 300 tripulantes de cabine e 170 pilotos.

  • O bombeiro herói que recebe 267 euros de pensão
    2:36
  • Funcionários dos EUA na Coreia do Norte para preparar cimeira
    2:19