sicnot

Perfil

Economia

Mais de mil milhões de euros saíram de Portugal para offshores

Saíram de Portugal mais de mil milhões de euros para paraísos fiscais em 5 anos. O número é avançado pelo Jornal Público que cita as estatísticas da Autoridade Tributária e Aduaneira relativas ao período entre 2010 e 2014.

(Arquivo)

(Arquivo)

No ano em que Portugal iniciou o resgate financeiro, em 2011, foram transferidos para offshores, mais de 4 mil milhões de euros. A maior parte das transferências foi feita por empresas. Mais de 600 milhões vieram de pessoas singulares.

Os dados resultam da base da administração fiscal feita a partir da informação reportada pelos bancos, ao abrigo da declaração do modelo 38.
O Panamá, as ilhas Caimão, Virgens e Bahamas são alguns dos destinos fiscalmente mais atrativos para onde foi enviado o dinheiro que saiu de Portugal.

  • Partidos apresentam propostas para o combate às offshores
    2:23

    Economia

    O tema está na ordem do dia e, os parceiros do Governo querem ir mais longe. O PSD vai recomendar a Bruxelas um maior controlo das transações financeiras. O PCP quer ver taxadas as operações financeiras em offshores. Já o Bloco de Esquerda vai apresentar no dia 26 de abril o pacote legislativo sobre offshores. Contudo, os partidos insistem no fim da zona franca da Madeira.

  • "É pesado dizer a miúdos que ainda ontem os pais estavam a ensinar o atar ténis que vão ficar em prisão preventiva"
    2:49
  • Pecado da gula ameaça maior anfíbio do mundo

    Mundo

    O maior anfíbio do mundo está em sério risco de extinção. Iguaria muito apreciada no Oriente, a salamandra-gigante-da-China já praticamente desapareceu do seu habitat natural, concluiu uma pesquisa realizada durante quatro anos. Em contraste, milhões de animais são reproduzidos em cativeiro e têm como destino restaurantes de luxo.

  • Gases tóxicos expelidos pelo Kilauea ameaçam a população no Havai
    1:51
  • Gilberto Gil cancela atuação em Israel

    Cultura

    O músico brasileiro Gilberto Gil cancelou a atuação que tinha marcada para Telavive, em Israel, no dia 4 de julho, na sequência de protestos em Gaza durante os quais o exército daquele país matou 60 palestinianos.